Home Norma Villares

NORMA VILLARES

"Rezar não é pedir: rezar é o respiro da alma. O alimento não é tão indispensável para o corpo quanto a oração para a alma. Pois o jejum é freqüentemente necessário para que o corpo se mantenha sadio, enquanto que não existe jejum de oração.

É impossível alguém se saciar de oração.

Para viver de amor em meio aos homens, é necessária uma força eficaz, absoluta: a força da oração.

Rezar é ser "um" com Deus". Mahatma Gandhi

É com  a oração que criamos o reino pessoal de luz, para um estado expandido de consciência de unidade e,  juntos nos tornamos  co-criadores de uma nova realidade coletiva iluminada.

Mahatma Gandhi sempre dizia:

- Foi a oração quem me salvou.

O estado oracional conduz a uma assistência da Hierarquia dos Mestres Ascensos, de Anjos e Seres de Grande Luminosidade. E nele nos movemos para dentro das infinitas potencialidades de vibrantes freqüências de luz e de vida, reconhecendo que somos a força co-criativa de vida com o Divino, saindo da fantasia da separatividade, a grande ilusão da dualidade que fortemente vivenciamos nesse planeta terra.


Essa é a jornada para trilhar em direção ao Divino, saciando a fome benévola da oração, despertando a fonte criativa do eu interior conduzindo a energia aos campos mais sutis do Universo, lembrando que a trajetória pessoal é realizar o Reino Divino no plano da matéria.
E canalizar num estado oracional é partir para o despertar da consciência Humana e Divina existente em cada sensciente.

São almas perfumadas pelo estado oracional que se transformam em pontes para um caminho de ascensão espiritual, com iniciações deslumbrantes pelos ares da montanha imaginária recebendo as ricas e puras energias de um estado elevado de consciência. Esses mananciais se espalha nos campos de nutrição e proteção pessoal e coletiva.

A oração é o respiro da alma ascensionada, é um acontecimento do  coração  e que   ajuda no re-alinhamento  dos campos de forças,  e do caminho espiritual.

Quando surge gratidão num  coração compassivo, a prece e a oração convida a celebrar cada instante da vida.  E paulatinamente o estado oracional trás ganhos de sabedoria, criando um novo ‘status’ espiritual e, abre um leque de potencialidades ilimitadas que será expresso pelo amor incondicional. E tudo se faz pleno de alegria, criatividade e beleza manifestando-se em todas as formas de vida.

A união com Deus gerado por uma conversa íntima promove a excelência do diálogo com a sua essência infinita mais bela e mais sábia. Nesse espaço não  há separação entre você e Deus e o coração enche-se de amor. O amor é a expressão mais bela da energia Divina, e tem ressonâncias com a serenidade, a bondade, a beleza. Percebemos claramente que o amor desvela-se  no ser, quando a oração verdadeira acontece no coração. Toda  palavra que sai do coração cheio de amor é uma prece.

E a beleza se faz presente na alma que explode em entendimento espiritual, e forma o novo ser, e coloca-o  em seu próprio iluminado lugar nesse planeta.  Essa opção pessoal é de tamanha repercussão que vai ajudando ao outro a encontrar a  plenitude do estado oracional.

Isso está acontecendo agora,  estamos vivendo esse momento de luz e sombra com muita intensidade.  Adentramos a Nova Era, em que a compreensão espiritual tem firmado suas bases clarificando propósitos venerandos ajudando  na ascensão da Terra para as dimensões superiores.  E o melhor está disponível a todos, a ninguém é dado a não saber. A oração oportuniza a realização de  um  novo mundo.  A Era de Ouro tão esperado por todos desde os tempos imemoriais.

“Se damos um passo em direção a Deus, ele dá 100 passos em direção a nós”.

A Era Dourada, é um paraíso em potencial ilimitado onde todos os Mestres Ascencionados se juntam para que cada ser humano desperte sua consciência  ao estado iluminado de Unidade com Deus, transformando-se em co-criadores do amor, da paz e da abundancia de harmonia na mente e no coração.  Quando isto estiver finalmente realizado, o Poder Divino será realizado no planeta terra. Eles estão ao serviço  planetário, dia e noite para instalação da grande promessa de criar um Novo Céu e uma Nova Terra para os  Humanos Divinizados.

Avante guerreiros de luz!

A hora é chegada!


Se a gente cresce com os golpes duros da vida, também pode crescer com os toques suaves na alma… Nada faz sentido neste mundo se não tocamos o coração de uma pessoa. Norma

XAMANISMO

A PRIMEIRA é para dentro de si.

Consigo mesmo, mantendo os cuidados essências com a saúde do corpo. Realizar a meditação para pacificar a mente. Cuidados nos processos de auto-conhecimento, gerando uma mente sensata e  lúcida. Construindo o prazer de realizar um trabalho vocacionado, realizando-o honradamente. Realizando o amor equilibrado por si mesmo. A paz consigo mesmo, é uma trilha para realizações de plenitude.  Se o ser humano não tem paz dentro si, vive o caos com a humanidade inteira.

A SEGUNDA é para cima.

É a Paz com o Divino consequentemente gerando a Paz Espiritual. Com os espíritos de seus antepassados, com a vontade de Deus. Se você não está em paz com o mundo sobrenatural, espiritual, com a metafísica da sua existência, sua paz fica incompleta.



A TERCEIRA paz é para frente.

Com o passado existencial, com o livro escrito por si mesmo. Esta é Paz com sua própria história, sem esquecê-la, porém, mas colocando-a a nossa frente, como a base do que passou. Portanto está à frente, contrariando a arrogância da cultura do homem branco.  A arrogante cultura ocidental põe o passado para trás. Já os Aymara põem o passado à frente, porque ele é o conhecido, o visto e o vivido. Se você tem remorsos, dívidas não pagas, culpas, arrependimentos, não está totalmente em paz. Portanto quando o passado está na frente, é visto, olhado, manipulado... Fácil para resignificar, reprogramar ao nível do cérebro e ao nível da alma. O “arrependimento eficaz” e “perdão” são as energias mais importantes para realizar a Paz para frente, com o passado.  Sem os quais o ser humano não consegue a pacificação com o passado.

Cara Pálida, onde você coloca seu passado?

Na frente ou atrás?

Que tal uma revisão de conceitos!


A QUARTA é para trás.

Trata-se da paz com o seu futuro, despindo do medo pelo futuro. Aquele que não tem medo do que virá, está realizando a quarta paz.  E quem tem medo do que virá, fica assustado e temeroso até pelo ato do existir. Que não cuida da saúde, não paga suas dívidas, não tem emprego certo vive sem paz, pois sempre está esperando péssimas notícias. Nunca está em paz.



A QUINTA é para o lado esquerdo.

Esta é a paz com o próximo.  E o mais próximo se encontra na rede familial, portanto é a paz com sua parentela carnal. A família e a célula essencial, sem a paz familiar, não há paz nas outras redes de relacionamentos. A disputa doméstica, o descontentamento com familiares e amigos próximos tira o sentimento de paz. Não é querela entre irmãos que tiram a paz, desde que se harmonizem rapidamente. Mas a fofoca interminável, o risinho à socapa, após da briga, tais atitudes  destroem a harmonia e geram a falta de paz.



A SEXTA paz é para o lado direito.

Além do próximo mais próximo, que é família. Temos que construir a paz com os nossos vizinhos, de porta, do outro lado da rua, do bairro, da cidade, do país...  Não adianta a paz em família, em sua própria residência  se,  na outra porta  vizinha há dissensões, se no outro lado da rua existem inimigos. Se no bairro existem inimigos que ameaçam e maldizem etc. Podemos incluir também inimigos desencarnados.



A SÉTIMA é última paz é para baixo.

Esta é uma paz bem moderna, a paz ecológica. É aquela que devemos realizar e cultivar  com a terra em que pisamos e de onde tiramos o nosso sustento. Se o frio continuar tão forte, e as tempestades assolar em os campos, se o solo secar ou tremer, a paz não se completará.  É preciso empreender ações para o cultivo da paz com a terra, como o solo em que pisamos, e o primeiro ato é muito simples.  Agradecer o solo que pisamos.

Que neste ano de 2010 possamos pensar em realizar estas sete etapas de Paz, com base na sabedoria dos Aymara.

Mas desejo também que, além das sete formas de paz,  que cada ser humano tenha planos para construí-las. Das sete, cinco dependem apenas de você e sua família, de sua introspecção, sua espiritualidade, suas amizades.

Fica uma pergunta:

Como cada um de nós está protegendo e nutrindo a si mesmo,  seus familiares, seus vizinhos?

Quais as ações efetivas e eficazes que estão realizando?

As duas últimas,  para a direita e para baixo, dependem de sua ação social e política. Dependem de luta nesta grande rede global,  os vizinhos são todos os seres humanos, começando por seus conterrâneos nacionais. Para nós, brasileiros do século XXI, nossos vizinhos são 185 milhões de compatriotas.



A paz de cada brasileiro depende do bem-estar de cada outro brasileiro, sem fome nem violência. Por isso, se queremos a paz completa, temos de agir para alcançá-la. A paz no seu lado direito não estará completa enquanto todos os brasileiros não tiverem a mesma chance na vida. O caminho é lutar em 2010, para que o Brasil comece sua evolução social e política. Lutar pelo alimento na mesa de todos, por uma educação igualitária  para todos, pela saúde de todos.


Da mesma forma, é preciso colocar nos seus planos para 2010 a luta pela proteção da natureza, o início da revolução por um desenvolvimento sustentável. Sem isso, você não terá paz para baixo, com a mãe Terra. Nem vai garantir a mesma chance entre gerações, deixando os próximos brasileiros sem acesso ao mesmo patrimônio natural.


Esses dois planos de luta para 2010 são necessários para que tenhamos paz com a Terra e com a humanidade. Sem elas, você também não terá as outras cinco formas de paz. É impossível ter paz com Deus tendo crianças sem escola, ou destruindo a Amazônia.

Como não ter remorso sabendo que já perdemos tantos séculos de história?

Como ter paz com o futuro, sabendo que estamos despedaçando nosso país e o mundo?

E como ter paz com a família, quando filhos e netos perguntarem o que você fez para evitar a tragédia?


Desejo-lhe sete tipos de paz neste Natal, e que, em 2010, você lute para ter direito a eles. Próspero 2010, sete formas de paz para você. E muita participação para construí-las. Porque a paz não acontece, ela é construída.

Lembrando Pierre Weil  que sempre ensinava em seus seminários “A Arte de Viver”, e terminava com este cânone:

SHALON ALECHEM (Hebraico)
SHALON ALECHEM
SHALON SHALON
SHALON ALECHEM
SHALON ALECHEM
SHALON SHALON

SALAM ALECUM (árabe)
SALAM ALECUM
SALAM SALAM
SALAM ALECUM
SALAM ALECUM
SALAM SALAM

OM SHANTI (sânscrito)
OM SHANTI
OM SHANTI
OM SHANTI OM
OM SHANTI
OM SHANTI OM


PINAM PANI (Chinês)
PINAM PANI
PINAM PANI
PINAM PANI
PINAM PANI
PINAM PANI

MAY PEACE BE IN YOU (inglês)
MAY PEACE BE IN YOU
MAY PEACE BE IN YOU
MAY PEACE BE IN YOU
MAY PEACE BE IN YOU
MAY PEACE BE IN YOU

LA PAIX EN TOI (francês)
LA PAIX EN TOI
LA PAIX EN TOI
LA PAIX EN TOI
LA PAIX EN TOI
LA PAIX EN TOI

LA PAZ EN USTED (espanhol)
LA PAZ EN USTED
LA PAZ LA PAZ
LA PAZ EN USTED
LA PAZ EN USTED
LA PAZ LA PAZ

A PAZ EM VOCÊ (português)
A PAZ EM VOCÊ
A PAZ A PAZ
A PAZ EM VOCÊ
A PAZ EM VOCÊ
A PAZ A PAZ

Que possamos cantar juntos:

“A Paz do Mundo começa em mim.”

Vamos a luta!

Feliz Ano Novo!

Os Quatro Princípios Toltecas

Os Quatro Princípios Toltecas

Amigos de perto e de longe, da alma e coração.

No zig e zag da vida, eu estava procurando idéias para escrever um texto pra vocês, e li estes princípios toltecas que me encantaram, traduzem a  filosofia de vida ética ancestral  de excelência para uma convivência harmônica.

E desde os tempos remotos encontramos em toda história textos que tocam o nosso coração e fazem pensar e repensar a vida.  Na verdade  estes ensinamentos estão à disposição para que cada um de nós descortine seu eu verdadeira e viva consoante o despertar desta  consciência. Muitos se encontram sem despertar desta apatia consciencial. A inanição de conhecimentos, a inapetência usual não consegue despertar tais consciências para a luz da sabedoria.

Todavia, é preciso que cada ser humano descortine os véus  de sua ilusão pessoal  e caminhe em direção a esta filosofia e ética profunda.  Este resumo infere-se sobre a Magia Divina e traduz num código de ética que toca sutilmente o coração de sencientes.

Seja impecável com a sua palavra

“Fale com integridade. Diga somente o que você realmente quer dizer. Evite usar a palavra para falar contra você ou fazer fofocas de outras pessoas. Use o poder da sua palavra no sentido da verdade e do amor.

Isto me lembra muito da parábola sobre o sentido da necessidade das coisas, em Sócrates. Somente podemos falar algo que é verdadeiramente útil e que não prejudique nenhum de nossos pares. A Fraternidade Universal agradece (e por favor, quando digo Fraternidade Universal remeto ao sentido global e não ao de uma seita ou organização, mas em um sentimento latente no coração de cada ser humano). Busque o sentido da Verdade…

Acredito que a mensagem principal seja esta, mas o que será a Verdade? Acredito que qualquer palavra limitaria o conceito desta nobre idéia.

Não leve as coisas para o lado pessoal

Nada que as outras pessoas fazem é por causa de você. O que os outros dizem ou faze-me uma projeção da realidade deles, de seus próprios sonhos. Quando você fica imune às opiniões e ações dos outros, você não será vítima de sofrimento desnecessário.

Caramba, mas isso sim é conselho neste mundo de pessoas perdidas e com a mania de perseguição. Alguém teria este estranho hábito? Eu já sofri muito deste mal e ainda sofro, porém cada dia é um passo para o crescimento. Quando dizemos que o mundo está contra nós estamos assumindo a posição mais egocêntrica em nossas vidas, pois achamos que somos o centro do universo e que tudo gira em torno dos nossos problemas e anseios. O mundo já é complicado demais para que se preocupem somente contigo, portanto deixe de “frescuras” e viva a sua vida.

Não faça pressuposições

Tenha a coragem de fazer perguntas e de expressar o que realmente você quer. Comunique-se com os outros o mais claramente possível, para evitar mal-entendidos, tristezas e dramas. Somente com esse princípio você poderá transformar completamente a sua vida.

Não vou nem comentar…

Sempre faça o seu melhor

O seu melhor muda de um momento para outro; será diferente quando você estiver bem de saúde e quando não. Em qualquer momento, faça simplesmente o seu melhor, e assim você evitará auto-julgamento, auto-abuso e arrependimentos.

O arrependimento é bálsamo eficiente e eficaz, isso é importante ser discutido, pois em todas as nossas relações sempre observamos outrem a reclamar de seus mal passos dados em relação a pessoa A ou B. Para que isto seja evitado, uma coisa é simples: busque ser a melhor pessoa que puder e não menos e nem mais. Assim, evitará problemas como os do tipo: – fulano nunca me amou e etc. Siga sempre a intuição humana que diz: – se você fez o melhor que pode então siga em frente e não viva coisas que já estão mortas para a vida em si.”

Os toltecas foram um povo pré-colombianomesoamericano dominou grande parte doMéxico Central entre o século X e o século XII.

A antiga capital tolteca revela pistas sobre as crenças e comportamento de seus habitantes. Com o aparecimento dos chichimecas, povo bárbaro que deu origem posteriormente ao Império Asteca, provocou a queda do Império Tolteca. Eles invadiramTula, no século XII, dominando-a por completo, e mais tarde deu origem ao Império Asteca e muito influenciou a cultura Maia.

Era um povo de grande sabedoria, deixando um legado de conhecimentos e filosofia de vida. "Tolteca"significa Sua cultura influenciou os Maias e, posteriormente, os Astecas. O termo Toltecasignifica povo de Tula (ou Tollan, lugar dos caniços). “homens de conhecimento”, seres humanos que dedicavam a arte de bem viver com consciência e percepção elevada. Povo pragmático, austero, valorizava mais a utilidade que a forma filosofia "Tolteca" deixou um código é uma espécie de código Hamurabi pré-colombiano, porém bem mais sutil e com uma mensagem profunda e que toca nossos corações. Deveríamos notabilizar as coisas do passado e dar uma nova roupagem a elas. Edgar Morin nos diz que as novidades do mundo são na verdade reflexos de idéias antigas.

"Faça quatro compromissos com você mesmo e transforme sua vida em uma nova experiência de liberdade, verdadeira felicidade e amor!

Que esses quatro princípios, toque seus corações e vibrem em suas almas.


Fonte:

1. Don Miguel Ruiz. Os Quatro Compromissos: O livro da Filosofia Tolteca. Editora Best Seller.

2. http://pt.wikipedia.org/wiki/Toltecas

“Conhece a ti mesmo”.

"As portas da percepção são os sentidos,

quando se os transcende, tudo o que resta é o infinito"

(William Blake - 1757-1827)



Não existe fórmulas mágicas para construir a capacidade de ficar presente e de sentir a LUZ CONSCIENTE. É preciso mudar o paradigma, o modo de pensar, e iniciar a viver a experiência do 'aqui e agora' consciente que essa luz que tudo alumia também alumia a nossa alma.

 

 

Ela não está fora, ela está dentro em cada um de nós.

 


No inicio do caminho do auto-conhecimento, o buscador sincero tentará por todos os meios de práticas externas, buscando fora dele mesmo, e as encontrará... 

 

 

Até que um belo dia descobre que é necessário retornar ao caminho de uma intimidade pessoal. Nesse estágio de interioridade o caminheiro estará sozinho nesta trilha do auto-conhecimento, levando solitariamente os seus pés as vias de auto-centramento e da meditação.

 

 

E os direcionamentos que norteiam os procedimentos de crescimento e desenvolvimento individual esta na célebre frase inscrita no portal do templo de Delfos, na antiga Grécia:

 

“Conhece a ti mesmo”.


E o anacoreta perguntará: Quem sou EU?

 


Eis a pergunta chave que deve ser respondida na entrada do Grande Portal do auto-conhecimento.


Eva Broch Pierrakos ensina:

 


“Cada um de vocês... tem de aceitar as suas limitações como ser humano antes que possa perceber que possui uma fonte ilimitada de poder à sua disposição... [e] antes que possa experimentar aquela perfeição absoluta que por fim descobrirá o que é o seu destino”.

 


Neste momento é preciso navegar pelos mares bravios e sombrios da mente nunca dantes navegado. Tudo é aterrorizante, a alma caminha no lodo do lodo, mas precisa passar para o outro lado... E encontrará toda sorte de dificuldades, espinhos, dores físicas, emocionais e espirituais.

 


Segundo Paulo Urban, é preciso atravessar as águas oceânicas da Mitologia Pessoal, cumpre elevar a consciência às experiências mais transformadoras, àquelas que a alma, em seu caminho de autoconhecimento, necessita verdadeiramente experimentar.

 


Sim, é preciso atravessar os grandes mares da mitologia pessoal, para encontrar a essência vital é atravessar a ponte que liga a sombra da luz.

 


Roberto Crema como pedagogo da alma discorre sobre a sombra: Somos prisioneiros de tudo que negamos na realidade. Tudo que rejeitamos em nós, transmuta-se em obsessão, aderindo ao tecido subcutâneo de nossa identidade; torna-se grilhões e tocaia, constitui-se da sombra.

 


Esta é fase de detectar: A sombra da sombra que assombra a gente.

 


E o pior que nesta etapa não conseguirá partilhar com ninguém a não ser com os grandes mestres da ancestralidade espiritual e histórica. E com eles que manterá diálogos íntimos, verterá lágrimas de sangue sob seus ombros. Essa é uma experiência aterrorizante, com episódios lancinantes e assombrosos.


Segundo São João da Cruz esta é a "Noite Escura Da Alma", a qual ele viveu, sorveu e bebeu até a última gota desta água salgada do oceano da vida. Ele foi primeiro místico a relatar acerca desta fase aterrorizante.


O Iniciado desenvolverá uma força hercúlea para construir estados meditativos de conexão, é a solidão Cósmica que se fará presente nessa iniciação. A verdade é que trata-se de um caminho extremamente solitário.


 


 

“O homem é seu livro de estudo. Ele precisa apenas ir virando as páginas deste livro e descobrir o autor.” Jean Yves Leloup

 

 

Viver construindo a lapidação lúcida, ousar desenvolver um espaço onde o novo ser humano possa ser desvelado e cultivado em sua extensão, altitude e profundidade, de uma forma acolhedora e inclusiva em todas suas dimensões.


Abrindo novas picadas para aplicar os princípios da mística; meditar, calar, ouvir, nada julgar e assimilar.


E só depois paulatinamente elevar a consciência para experiências vívidas transformadoras, onde a inteligência hermenêutica possibilite a tarefa fundamental de interpretar as nossas experiências, dando-lhe sentido e orientação. Instalar o discernimento para instigá-la à evolução consciencial.

 


O peregrino precisa saber e ter certeza de que realmente quer buscar o desvelamento da luz verdadeira. E no caminho de peregrinação interior, não devemos confundir luz com sombra clara. Existem sombras inebriantes que só selam nosso destino e antecipam o encontro com nosso karma.

O homem sábio é aquele que procura DEUS;

O mais bem sucedido é aquele que encontrou DEUS.

Paramahansa Yogananda

.

Essa jornada interior é árdua, requer disciplina, mas pouco a pouco vai aflorando esse estado de união compassiva com a própria essência e então vislumbra... Inicia um deslumbramento da força e da luz desta trilha sendeira. O aprendiz segue em direção à consciência de luz, na fase de nadar no rio da existência desenvolvendo a ecologia do ser.

 


A própria ressurreição do novo estado, surgirá como um processo natural e inevitavelmente concretiza a experiência com o numinoso. Essa experiência transmundana é única e extremamente prazerosa, e que inexiste palavras para traduzir a experiência com o inefável. Com a união com o Divino transforma o ser humano num buscador sincero dessa verdade.

 

A alma que experiência ou vislumbra esses estados superiores, mesmo por um lapso nunca mais volta atrás ou retorna ao caminho mundano. Os diálogos com os seres de luz será com doçura e paciência, sempre manterá conversas na montanha existencial...

 

 

Essa é uma experiência fascinante.

 


O fascínio pelo caminho regenera e fortifica a alma, sem as chaves corretas o sentido original se perde. E com sintonia amorosa e compassiva com o Absoluto, evocação do Ser, já que nos tornamos o que invocamos.

 


Compreendemos este caminho vivencial que o ser humano recapitula todos os elementos e reinos do Universo. Com a consciência de que tudo é mutável, tona-se possível completar as faltas e reparar distorções, ascendendo e descendendo ao mesmo tempo, para o alto e profundo desta viagem evolutiva.

 


É reveladora e tocante esta passagem na escuta essencial do “VIR A SER”. Envolve todo mistério de nossa inteireza, no observatório da vida individual.

 


E o poeta Gonzaguinha nos ensina:


Viver e não ter a vergonha de ser feliz.

Cantar e cantar e cantar

A beleza de ser um eterno aprendiz...

 


Eis o supremo desafio da existência humana!

Paz Profunda!



Fonte: 1. Severino Roque E. I Ching. Uma abordagem Psicologica e Espiritual. Editora Ícone, São Paulo, 1994;
2. Dhammapada Caminho da Lei. Atthaka O livro das Oitavas. Doutrina Budista Ortodoxa em versos. Tradução: Dr. George da Silva. Editora Pensamento, São Paulo, 1978;
3. Pierrakos Eva Broch.O Caminho da Autotrasnsformação.(The Pathwork of Sel-Transformation). Editora Cultrix, tradutores: Euclides L Calloni, Cleusa M. Wosograu. 10ª Edição, São Paulo 1978.

4. Crema Roberto. Saúde e plenitude. Um caminho para o Ser. Editora Summus, 3ª
edição, São Paulo-SP, 1995.

Caminho da Beleza

Caminho da Beleza

 

Diz a sabedoria indígena que quando não cumprimos o que prometemos, o fio de nossa ação que deveria estar concluída e amarrada em algum lugar fica solto ao nosso lado.
Com o passar do tempo, os fios soltos enrolam-se em nossos pés e impedem que caminhemos livremente... Ficamos amarrados às nossas próprias palavras.

Por isso os nativos têm o costume de "por-as-palavras-a-andar" que significa agir de acordo com o que se fala; isso conduz à integridade entre o pensar, o sentir e o agir no mundo e nos conduz ao Caminho da Beleza onde há harmonia e prosperidade naturais.
Eles acreditam que aplicando  os princípios de valores ensinados pelos seus ancestrais  o  sofrimento  do  mundo  inteiro diminui. Toda vez que qualquer pessoa  aplica o auto-aperfeiçoamento, aumenta a paz e a beleza de tudo.  Os Navajos  chama isso de "tomar o caminho da beleza". Os indígenas sabem que tudo o que fazemos, inclusive nossos pensamentos  afetam todos.

TOMAR O CAMINHO DA BELEZA

A viagem do Guerreiro Espiritual rumo à beleza é uma viagem em direção a si mesmo e ao Grande Espírito. É um caminho de opção. Quando trilha esse  caminho emitindo pensamentos amorosos  realiza atos generosos.

Se os seres humanos levarem uma vida de beleza, segundo a tradição dos navajos,  depois de conseguir essa beleza, o caminho do amor, da paz de espírito e ligação com o Grande Espírito,  pode-se trazê-la para o mundo com crenças positivas e atos amorosos. Então os seres humanos estarão percorrendo o “Caminho da Beleza”.   

Prece do Caminho da Belezaoração  do povo navajo.

Hoje saio à caminhar

Todo o mal me abandona, serei tal como fui antes

Terei o corpo leve e uma brisa fresca a percorrer-me o corpo

Hei de ser feliz para sempre

Nada há de me impedir

Eu caminho com a Beleza à minha frente

Eu caminho com a Beleza atrás de mim

Eu caminho com a Beleza acima de mim

Eu caminho com  a Beleza ao meu lado direito

   Eu caminho com a Beleza ao meu lado esquerdo

   Eu caminho com a Beleza



Xamanismo

Fonte:

1. Don Miguel Ruiz. Os Quatro Compromissos: O livro da Filosofia Tolteca. Editora Best Seller, 1979.

 
Banner