Home Notícias

Notícias

TEMER: GOVERNO DA INÉRCIA

Passados quase 07 meses da administração Temer e nenhum ato em prol da nação; Muito pelo contrário: acercou-se de ministros envolvidos  em falcatruas ou na mira da Lava-jato. Tenta parcerias com o Congresso numa tentativa de obter uma 'governabilidade' fantasma pois, é sabido que um sem número de políticos visa mesmo é safar-se das garras da justiça. Até o super-ministro Meireles encontra dificuldades para pôr em prática o plano de ação. Trocou-se na administração federal, seis por meia-dúzia. Ou seja: Tudo como dantes, no quartel de Abrantes.

Mais uma vez o povo foi ás ruas. Atitude bonita, mas, sem eficácia. A classe política, finge não ouvir o clamor público. Provado está que o 'Módus Operandi' popular tem que mudar! Manifestações de rua não surtirão o efeito desejado. Em tempos de 'crise', cria-se. E qual seria a mudança? Mudar-se-ia a maneira de protestar. Protestemos pois, nas 'portas' dos Quartéis. Mostremos 'in loco' a aqueles que defendem a Pátria a nossa insatisfação com os atuais governantes. Por que não?

Por: Roy Lacerda.

A V I S O

O SITE CPIBRASIL.COM

ENCONTRA-SE EM  MANUTENÇÃO.

A INCOMPETÊNCIA de um GOVERNO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A incompetência do governo da Presidanta é evidente. Há vários que o sistema elétrico brasileiro vem dando mostras que está falido. A Eletrobras e todas as suas subsidiárias estão de braços cruzados por não haver investimentos, obras, novos projetos e principalmente manutenção nas linhas geradoras de energia. Pagou pra vê e... viu demais: os reservatórios estão com níveis dágua abaixo do crítico. O ministro da pasta, o famoso "Franckstain" (como é conhecido nos corredores), em recente comunicado público afirmou que a nação pagará a conta. Hoje estampado em todos os jornais do país "O Governa deverá elevar o imposto cobrado sobre fabricação de bebidas frias, tais como: cervejas, refrigerantes, água, isotônicos, assim como de cosméticos, afim de 'socorrer' o setor elétrico.

Resumo da ópera: Governo põe o apagão na conta da cerveja.

Só podemos com esta medida, morrer de rir.

 

Por: Roy Lacerda.

O TRÔCO DA ITÁLIA

A justiça Divina, tarda mas não falha. Com a prisão do Henrique Pizzolato pela polícia italiana, fatalmente acirrará os ânimos entre Brasil e Itália. Quando o ex-presidente Lula não quis extraditar o italiano Battisti, permitiu que as relações entre os dois países fossem fortemente 'arranhadas'. Agora, chegou a hora do "trôco". Com certeza o governo italiano vai usar a prisão do ex-diretor do BB como moeda de troca. Um só virá se o outro for. Enquanto perdurar a queda de braço entre ambos, o mensalão continuará sem ser concluído. Coisas de um país sem rumo e sem governo.

SUPER MINISTRO?


O Aluizio "bigodinho' Mercandante, não tem nada de super-ministro por ser indicado para a Chefia da Casa-Civil. Aliás, os dois últimos super-ministros foram tirados do cargo por corrupção no governo da Presid'anta  que, por sinal, não tem nada de super na sua gestão. Esta indicação do Planalto, dentre outras, tem que ser melhor explicada a nação. Como ministro da Educação, nada fez para melhorá-la, assim como o escândalo em São Paulo onde seu nome está envolvido, continua sem explicações. A parte da classe política envolvida em 'maracutaias' continua tendo as benécies do Estado brasileiro. A troca de 09 dos 39 ministros, nada tem a ver com reformas. E sim, pelo simples fato de sairem candidatos em seus respectivos estados. È mais um engôdo da gerentona brasileira.

Por: Roy Lacerda.

DESAVENÇAS ETERNAS

Durante toda a gestão(?) da Presid'anta, PT e PMDB vivem desavenças que acada dia são maiores. Na eleição presidencial, o PMDB tinha mais força que agora. Pois, comandava as pastas da saúde, Integração Nacional e Comuicações. Atualmente, as contrariedades ficam por conta de maior poder do partido do vice-presidente. Alem do retorno do comando do ministério da Integração Nacional, quer maior fatia do bôlo, sob pena de fraturar o apoio na campanha de reeleição. mas, dizer-se que os peemedebistas vão ficar de fora do governo, é balela das grandes. Não temos conhecimento de nenhum político ou partido que queira 'largar o osso'.

Por: Roy Lacerda.XX

BRASIL: COMPROVADAMENTE FALIDO

Tudo onde verdadeiramente a ex-guerrilheira pôs a mão, deu zebra. A começar por uma loja que montou em Porto Alegre e que não deu certo. Quando ministra das Minas e Energias, foi a responsável pelo maior apagão da história do país. E para não perder o costume, o sistema elétrico brasileiro já está falido. Há mais de tres anos que não se faz nada no setor. Não há investimentos, novos equipamentos e muito menos manutenção.  Brasília por exemplo é um caso latente do vexame no setor. Raro é o dia, onde não a falta de energia não ocorre. Onde localiza-se a sede da Eletronorte, é constante a interrupção do fornecimento. É caótica a situação da Eletrobras e suas subsidiárias que estão literalmente de braços cruzados. As grandes hidroeletricas prometidas pelo Governo estão com obras atrasadas e não têm 50% construídas. Belo Monte (a maior) está suspensa pela justiça e mais de 30 milhões já gastos. A Petrobras, de 'pires na mão'. E para completar, de nada adiantou todo esse tempo, as declarações do ministro Mântega (conhecido nos bastidores como o língua presa), fantasiosas de que estaria sob controle. O pífio PIB, assusta. A atual queda de 0,5% na economia, comprova que o Brasil faliu. O risco de haver uma recessão é iminente.
Contra fatos, não há argumentos!!!!! E AGORA, senhora PRESIDANTA?
Por: Roy Lacerda.

A ERA DAS MARACUTIAS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A manobra de maracutaia agora é para livrar o Genoíno. Os governistas farão de tudo para que o processo de cassação não seja votado antes de o deputado petista passar por nova avaliação dos médicos da Câmara, dentro de 90 dias. Menos de 24h após o procurador-geral da República, Rodrigo Janot (indicado pela Dil-Má) recomendando que o deputado licenciado continue em prisão domiciliar, contrariando assim, a junta médica da UnB. A maracutaia está sendo armada pelos Ptralhas, valendo-se da decisão do Miistério Público. mais uma vez, uma decisão do STF é desrespeitada pelo PT e Planalto. Afinal de contas, existe no Brasil uma Côrte Suprema? ou tudo não passa de balela? Mais parece a linha do Equador; todos sabem que existe, mas, ninguem vê!

Ê BRASIL QUE NÃO TOMA JEITO!!!!!

Por: Roy Lacerda.

Banco Central do Brasil, ACORDA! Roubos no Sistema Monetário - Não Deveríamos Estar Seguros?

Pagamos tantas taxas e juros aos bancos, mas porque não temos segurança?
O tanto de dinheiro que damos ao Sistema Monetário não deveria ser suficiente para ampliarem as redes de segurança, criptografia, agilidade em detectar invasão na Rede Bancária?
Mas não é o que está acontecendo, cartãoes estão sendo clonados, dinheiro está sendo sacado diretamente da conta sem autorização do correntista...
Isso me lembra um filme que vi há algum tempo, "Prenda-me se for Capaz" (2002), com Leonardo de Caprio. Conta a história de um dos maiores falsificadores de cheques dos EUA, o golpe foi aplicado não só na América como também em 26 países. Para enganar as autoridades, Frank Abgnale Jr. se passa por piloto de avião, médico, promotor e até professor de História. O longa-metragem foi baseado em história real, ambientado nas décadas de 60 e 70. Frank chegou a dar golpes no valor de US$ 2,5 milhões em cheques falsos antes mesmo de completar 21 anos. Ele foi preso em 1974, o governo federal dos Estados Unidos o libertou sob a condição de que Frank deveria ajudar as autoridades federais contra fraudes monetárias. Os bancos o contrataram para impedir que outros roubassem o Sistema Bancário.
Será possível que teremos que prender as quadrilhas que estão fazendo isso para então contratarmos um deles para nos proteger?
Seria uma grande ironia do destino... E uma afronta...


(Por Roy Lacerda - Jornalista (DRT/MT.2634) (EDITOR).

Eis matéria muito bem  elaborada por um Especialista em Finanças:

FRAUDES NOS BANCOS X CORRENTISTAS
"Consultando os relatórios disponíveis no site do Banco Central do Brasil - BC coletei a informação de que os bancos existentes no Brasil produziram um LUCRO LÍQUIDO de R$ 55,2 bilhões somente no exercício de 2010. Essa sangria sistemática à poupança nacional não é citada pelos ECONOMISTAS que só veem aberrações nas atividades públicas. Os bancos gastaram em 2010 R$ 64 bilhões com empregados orgânicos e R$ 19 bilhões em serviços terceirizados, correspondentes a 23% dos gastos declarados com pessoal, exceto vigilância e segurança (que acredito ser segurança patrimonial) e somente R$ 13 bilhões em Processamento de Dados; Telecomunicações e Comunicações. Não existem dados claros sobre os investimentos na segurança dos dados dos correntistas (SECURITY CHECK e SECURITY OF THE DATA).
Faz-se necessário uma atuação maior do BC na regulamentação exigindo que os bancos publiquem informações que possam criar condições do BC mensurar o quanto se investe em segurança de dados e em segurança do usuário; deve-se também exigir que os bancos publiquem de forma destacada seus custos com indenizações, acordos judiciais ou não, além de perdas provenientes das fraudes obtidas por invasões nos sistemas internos dos bancos, assim como, com a clonagem de cartões de débitos e créditos, com o propósito do BC criar critérios de avaliação ou índices de produtividade que devem ser alcançados pelos bancos com a finalidade de mitigar os prejuízos morais e financeiros dos correntistas do Sistema Bancário. Sugiro até, se for o caso, que essas despesas não sejam dedutíveis para efeito de cálculo do imposto de renda a pagar. A União não pode ser penalizada com a redução da receita com o imposto de renda causada por políticas ineficientes dos gestores dos bancos. Vejo que essas seriam medidas que estimulariam os bancos na prevenção dessas fraudes contra, principalmente, seus correntistas que são assolados diariamente com o susto de verem seus recursos desaparecerem das contas correntes, por má utilização de cheques e cartões extraviados ou clonados, com saques em caixas automáticos, empréstimos consignados, ou mesmo vazamento de dados sigilosos e confidenciais sem seu conhecimento ou autorização. Soube informalmente que a rotatividade dos empregados próprios e, principalmente, dos terceirizados fragiliza a segurança desses dados que por Lei devem ser tratados como confidenciais.
Agora, no final de agosto no meu ambiente de trabalho temos 3 (três) pessoas, 50% do efetivo, enfrentando simultaneamente adversidades com seus bancos, um público e 2 privados.
Qual o custo financeiro e emocional para essas pessoas que saem da tranqüilidade de correntistas corretos para a condição de devedores, insolventes ou mesmo veem seu dinheiro desaparecer das suas contas-correntes, poupanças, ou ainda, veem as suas contas dos cartões de crédito aumentarem por aquisições feitas por desconhecidos utilizando cartões clonados? Quem paga os deslocamentos dessas pessoas até as suas agências bancárias para tentarem amigavelmente resolver o problema? Quem paga as horas ou dias não trabalhados para resolver os problemas advindos desses tipos fraudes?
E quando as fraudes bancárias envolvem os idosos que contam com pouco poder de compreensão dos fatos, ou mesmo estão incapacitados fisicamente, ou mesmo nem notam que as fraudes estão ocorrendo? Quem os protegem?
Existe outro problema econômico que envolve essa situação. Essas fraudes trazem embutidas de forma velada custos aos empregadores que prescindem da labuta dos seus empregados que quando descobrem o desfalque em suas contas saem desesperados em busca de solução para seu infortúnio.
Esses são problemas pontuais que o BANCO CENTRAL DO BRASIL tem que estudar visando buscar soluções que venham proteger única e principalmente as pessoas físicas, correntistas, que tem pouco tempo, pouco recurso ou mesmo pouco poder de compreensão para entender e resolver esses infortúnios".

(Por PAULO ROBERTO DUTRA DA SILVA
Contador - Especialista em Finanças, com MBA pela FGV em Gestão Administrativa).

DUAS BIOGAFIAS PARALELAS.

N.E.Deve matar muita gente de inveja. Isso tudo sem bolsas.Parabéns Joaquim!!!!!!!

Joaquim e José?

 

MINISTROS JOAQUIM BARBOSA   e  JOSÉ A. TOFFOLI

Ministro Joaquim Barbosa !


Joaquim Barbosa nasceu em Paracatu, noroeste de Minas Gerais. É o primogênito de oito filhos. Pai pedreiro e mãe dona de casa, passou a ser arrimo de família quando estes se separaram. Aos 16 anos foi sozinho para Brasília, arranjou emprego na gráfica do Correio Braziliense e terminou o segundo grau, sempre estudando em colégio público. Obteve seu bacharelado em Direito na Universidade de Brasília, onde, em seguida, obteve seu mestrado em Direito do Estado.
Foi Oficial de Chancelaria do Ministério das Relações Exteriores (1976-1979), tendo servido na Embaixada do Brasil em Helsinki, Finlândia e, após, foi advogado do Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) (1979-84).
Prestou concurso público para procurador da República, e foi aprovado. Licenciou-se do cargo e foi estudar na França, por quatro anos, tendo obtido seu mestrado e doutorado ambos em Direito Público, pela Universidade de Paris-II (Panthéon-Assas) em 1990 e 1993. Retornou ao cargo de procurador no Rio de Janeiro e professor concursado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro -  UERJ. Foi "visiting scholar" no Human Rights Institute da Faculdade de Direito da Universidade Columbia em Nova York (1999 a 2000) e na Universidade da Califórnia Los Angeles School of Law (2002 a 2003).
Fez estudos complementares de idiomas estrangeiros no Brasil, na Inglaterra, nos Estados Unidos, na Áustria e na Alemanha. É fluente em francês, inglês, alemão e espanhol. Toca piano e violino desde os 16 anos de idade.

E O SEU COLEGA NO STF:

Nome: José Antonio Dias Toffoli

Profissão (atual): Ministro do Supremo Tribunal Federal /STF- Suprema Corte.

Idade: 41 anos

Breve histórico de seu Currículo, para entender a "coisa:"

- Formado pela USP

- Pos Graduação: nunca fez

- Mestrado: nunca fez

- Doutorado: também não!!!

- Concursos: 1994 e 1995 foi REPROVADO em concursos para juiz estadual em São Paulo.

( é estadual e não Federal, não vá se confundir).

- Depois disso, abriu um escritório e começou a atuar em movimentos populares. Nessa militância, aproximou-se do deputado federal Arlindo Chinaglia e deu o grande salto na carreira ao unir-se ao PT...

* Em Brasília:

- aproximou-se de Lula e Jose Dirceu;
- que o escolheram para ser advogado das campanhas 1998, 2002 e 2006;

- Com a vitória de Lula, foi nomeado subchefe assuntos Jurídicos da Casa Civil, então comandada por José Dirceu;
- Com a queda do chefe, pediu demissão e voltou a banca privada;
- Longe do governo, trabalhou na campanha à reeleição de Lula, serviço que lhe rendeu 1 milhão de reais em honorários.
- No segundo mandato, voltou ao governo como chefe da Advocacia-Geral da União;

- Toffoli é duas vezes réu. Ele foi condenado pela Justiça, em dois processos que correm em primeira instância no estado do Amapá. Em termos solenemente pesados, a sentença mais recente manda Toffoli devolver aos cofres públicos a quantia de 700.000 reais – dinheiro recebido "indevidamente e imoralmente" por contratos "absolutamente ilegais", celebrados entre seu escritório e o governo do Amapá.
- Um dos empecilhos mais incontornáveis para ele é sua visceral ligação com o PT, especialmente com o ex-ministro José Dirceu, o chefe da quadrilha do mensalão. De todos os ministros indicados por Lula para o Supremo, Toffoli é o que tem mais proximidade política e ideológica com o presidente e o partido. Sua carreira confunde-se com a trajetória de militante petista – essa simbiose é, ao fundo e ao cabo, a única justificativa para encaminhá-lo ao Supremo.

*Posse na "cadeira dos sonhos":


No dia 23/10/2009, ocorreu a posse de Dias Toffoli como ministro do STF, indicado pelo Presidente Lula.

Explicando os EMBAGOS INFLIGENTES

Pai o que são os embargos infrigentes?

È o seguinte; Imagine que nossa nossa casa um tribunal e que, quando alguem erra È julgado e todos podem votar. Um dia, por exemplo, o papai comete um deslize; é apanhado traindo sua mãe com tres prostitutas.
Eu irei a julgamento.
Sua mãe, a mãe dela, o pai dela,sua irmã mais velha, você e seu irmão mais velho, votam pela condenação.
Meu pai, minha mãe, o totó e a mimi nossa gatinha votam pela minha absolvição.
Tá pai, mas aí você é condenado, não?
Sim fui. Mas aí é que entram os tais "Embargos Infrigentes" meu filho. Como eu ga
nhei quatro votos a favor da minha absolvição, tenho direito a um novo julgamento.

Mas pai, novo julgamento? mas todos vão votar do mesmo jeito.
Não se eu tiver trocado sua mãe, o pai dela e a mãe dela, pelas tres prostitutas...

QUEDA DE BRAÇO

 

 

 

 

 

Hà tempos o governo não vive um período tão dificil no Congresso Nacional. Os riscos á governabilidade  estão diretamente ligados às dificuldades de relacionamento entre PT e PMDB. Por mais que se diga que a presidanta tenha uma grande base, o volume de mais de 380 votos só existe no papel. Porisso, vê-se forçada a negociar ponto por ponto no dia a dia. Ninguem toma a frente sequer de alguma proposta das existentes nas pautas da duas casas, deixando assim o Planalto em  verdadeira 'sinuca de bico'. A relação com o PMBD, cada vez mais dificil e sem prerrogativas para dela prescindir. Na Câmara, nada passa sem o aval do lider do PMDB e, no Senado os petistas sentem seu aliado fluido e escorregadio, capaz de escapar ao primeiro sinal de desgosto com o andar da 'carruagem'.  Há tempos, constatamos as divergencias e o péssimo 'casamento' que na verdade nunca existiu. O PMDB sempre quis uma participação maior e sonha com a divisão do latifundio de forma igualitaria entre os dois, agravando-se com a queda nas pesquisas da presidanta. A bola da vez agora, é a questão dos palanque estaduais. Os blefes estão existindo de ambos os lados. No mais, é deixar o barco correr e ver onde vai parar".

Esta é, a nossa ótica.

Por; Roy Lacerda.

UM GOVERNO SEM FORÇAS.

Continua a rota de colisão entre a Presidanta, o PT e partidos aliados. O PT está divido internamente em 3 facções. Alem da perda de popularidade e consequente aceitação do seu governo, a senhora Dil-má continua vivendo particular 'inferno astral': Dos 17 partidos considerados aliados, 9 deles deixaram de ser fiéis à coligação. Ora, se a classe política é unida entre si, pois, somente os interesses pessoais são levados em conta, começam a desentender-se, imagine um governo sem força e sem vontade política. A nação continua entregue a própria sorte. Manifestações continuam ocorrendo em algumas capitais, vide as 'invasões' de câmaras de vereadores.

Não somos o Repórter Esso, mas, somos testemunhas ocular da história.

Por: Roy Lacerda.

PERDÃO DA DÍVIDA?

 

 

 

A presidanta enviou ao Senado projeto de perdão da dívida de mais quatro países. Tres nações já foram 'perdoadas', totalizando U$$ 787 milhões. Como a grana não sai da sua bolsa, fica fácil gastar o dinheiro do contribuinte. È por essas e outras sra.  Dil-má, que o povo foi as ruas, solicitando educação, transporte, moradia, saneamento básico, saúde, segurança de qualidades condizentes com os altos impostos pagos no país. A classe poltica brasileira não tem vergonha mesmo. Estão muitíssimo enganados, se pensam que em 2014 vão reeleger-se. Já que não estão preocupados com os direitos da população, preocupem-se mesmo com as eleições vindouras.Vide os casos das câmaras de vereadores e assembleias legislativas de vários municípios que nos últimos 8 anos vem sendo mudada em mais de 60% dos integrantes. O pleito eleitoral de 2014, vai ser marcado pela eleição do novo. QUEM VIVER VERÁ!!!!!!

Por: Roy Lacerda.

È DE ESTARRECER!!!

 

 

 

 

 

 

Na sofrida América Latina de governos militares, sempre tivemos o
exemplo da Costa Rica. Uma democracia consolidada, onde o voto e
alternância de poder são fatos corriqueiros.
A Costa Rica não tem exército, abolido constitucionalmente. Prevaleceu
a visão do investimento em outras áreas de atuação governamental.


Passados muitos anos, a Costa Rica continua a nos dar exemplos. Se no
passado era uma referência democrática, hoje ? vergonhosamente para nós
– passa a ser uma referência da miopia que se abateu sobre o Brasil.

presidente Laura Chinchilla convocou uma rede de TV no país para anunciar
o cancelamento da concessão dada à OAS - Empresa de
Engenharia
Brasileira, para reforma e exploração de uma autoestrada por 20 anos. O
povo e o parlamento enxergaram no acerto o maior caso de corrupção da
história do país. Uma vergonha nacional.
O lucro er

a absurdamente indecente. Uma privatização (“concessão”,
ensina a novilíngua petista) que renderia bilhões a uma empresa
brasileira.

Qual foi a lição? A revogação da concessão. E não só. Este contrato
contou com a participação direta, presencial e ativa de Luiz Ignácio
Lula da Silva!
O mitômano embriagado esteve em San Jose, em viagem paga pela OAS,
usando o jatinho da empresa, com diretores da empreiteira, para se
reunir com representantes do governo costa-riquenho e solicitar o
favorecimento aos novos parceiros. (A mesma San José abriga o Tribunal
Interamericano de Direitos Humanos, que José Dirceu pretende recorrer.
Desista, José Dirceu. Todos por lá já
conhecem o modo petista de ser.
Seu chefe maior fez-nos o favor de demonstrar como é o Brasil da
corrupção impune).

A oposição da Costa Rica vê com estranheza e indignação o papel
desempenhado por Lula, envolvido ostensivamente no maior roubo do gênero
já ocorri

do naquele país. E provocou a manifestação do Ministério
Público de lá, que pretendia ouvir o ex-presidente do Brasil sobre o
episódio em que se meteu. Mais um.
A Costa Rica tem história. O pequeno país caribenho tem nas
instituições democráticas o maior valor reconhecido por todos. Lula
despreza esses valores.O que preza são acertos com empresários (os que
mais combatia quando ainda pretendia implantar o lulismo com seita no
Brasil) e mordomias ofertadas por quem sabe qual é o preço do
ex-presidente.

A imprensa da Costa Rica credita a Lula o contrato danoso ao país. E a
presidente se viu obrigada a cancelar o
mesmo, em rede de televisão,
para garantir a paz social. A que ponto chegou o Imperador de Garanhuns!
O Brasil agora exporta corrupção? Não basta o assalto aos nossos
próprios cofres? Teremos que nos ver humilhados em todo o mundo por
levar a países sérios a expertise do
lulopetismo em matéria de roubalheira?
Até quando o


lobista que paga a amante com o dinheiro público será

incensado pelos que idolatram a figura cada vez mais repugnante deste
co-presidente a quem – no Brasil – tudo é permitido? Nem mesmo a
reprimenda pública na Costa Rica será didática a estes adoradores de
corruptos?

É esse o maior presidente da histórial? O “deus” de Marta Suplicy? O
intocável de Dilma? O pai dos pobres (e digo eu, dos corruptos,
empresários e empreiteiros)?
Na Costa Rica, Lula é somente um lobista barato envolvido naquilo que
o povo chama de “o maior escândalo de
corrupção em toda a história”.
Eles não sabem que a frase que Lula adotou é “nunca antes neste país!”.
Aplica-se literalmente à Costa Rica. Mas já conhecem o método - e o
personagem!

Um dia pediremos – nós, os brasileiros! – desculpas à cubana Yoani
Sanches pela ignorância nazista, com que foi aqui recebida, liderada por
essa corja petista que tomou de assalto esse (des)Governo. Hoje temos
que voltar a pedir desculpas ao povo costa-riquenho.

Não, o Brasil não é assim. Lula é assim - Sempre foi e
Sempre será. Por favor, não nos confundam com ele.

Jornalista Augusto Nunes/SP
.

UNHAS AFIADAS?

 

 

 

 

 

 

O conflito entre PMDB e o Palacio do Planalto parece não ter solução. A bancada peemedebista quer saber o quê realmente quer a Presidanta. Segundo o deputado Eduardo Cunha, o seu partido não quer sair do governo; quer entrar no governo. O plano de enxugamento dos ministérios descontenta os políticos. Ontem em comemoração aos 10 anos de governo PT na Bahia, o ex-presidente Lula, admitiu a crise no Governo, mas que irá defender a afilhada com 'unhas afiadas'. Por que o ex-presidente só agora se manifesta? por que não o fez antes? Por que durante as manifestações populares calou-se? Por que deixou a Presidanta, só? Continua usando o popularesco e o politiqueiro. Mas nessa dividida, o "marolinha" chegou atrasado.

Por: Roy Lacerda.

MINISTRO BOBALHÃO

O "Tio Sam" é mesmo um verdadeiro 'àguia". Alem de montar na capital do país uma base de espionagem, de quebra, espiona a nação brasileira. Ridícula, foi a cara de 'pateta' do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, gaguejando, admitir o fato e, tentar 'tapar o sol" com peneiras ao afirmar que O Brasil tomará as providencias cabíveis. No tocante a estas 'providências', já vimos esse filme várias vezes. E damos apenas um exemplo e perguntamos: que medidas foram adotadas e quais punições efetuadas contra as Operadoras de telefonia? NENHUMA! continuam deitando e rolando em cima dos usuários. E o Planalto faz 'vistas grossas, porque há muito dinheiro envolvido na história; a começar por financiamento de campanhas

DESAFIAMOS QUEM NOS PROVAR O CONTRÁRIO!

Por: Roy Lacerda.

UMA GREVE POLÍTICA?

O silencio de uma outrora grande entidade. MOMENTOBRSIL.COM(Comentário): Hoje dia 11 de julho de 2013, várias Centrais Sindicais, fazem greve por todo o país, denominando-a de: "Dia Nacional de Luta". Contudo, não vemos integrada ao movimento paradista, a UNE- União Nacional dos Estudantes, outrora uma das forças representativas no Brasil. E isso tem um grande e forte motivo: A partir do governo Lula, a entidade havaianas passou a receber grandes incentivos financeiros em troca do silencio. Também recebem financiamento todos os MSTs, que ao contrário da UNE, têm a obrigação de ir as ruas e provocarem desordem em profusão. Assim sendo, resta ao povo brasileiro ir as ruas por conta própria reivindicar tudo a que tem direito por não sentir-se representados pelos políticos eleitos para trabalhar em prol do povo.

E O PAU QUEBROU!

Divergencia em público da Presidanta e o vice Temer comprova e agrava a situação da aliança com o PMDB. Líderes partidarios deixam o PT 'falando" sozinho e plebiscito não sairá do papel. A Câmara Federal encerrou de uma vez por todas a proposta da DIL-MÁ do fajuto plebiscito sobre mudanças no sistema político que pudessem valer para as eleições de 2014, criando um grupo de trabalho que será presidido pelo Vaccarezza(PT/SP) para o projeto de reforma. Sabemos que nenhum político quer perder a "mamata". Essa história de vamos ver o que podemos fazer para 2016, è pura balela. Afinal, raposa não gosta de perder o galinheiro, ainda mais sendo o dos ovos de ouro. Se a Presidanta acha que o povo não vai mais às ruas, está enganadíssima. Amanhâ dia 11, está marcada uma greve geral no país. A Força sindical, chama de: o dia nacional de luta. Outras centrais estão denominando de: "O DIA DO BASTA!"

Por: Roy Lacerda.

PORTA-VOZ?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sinceramente ficamos a nos perguntar: Qual a real atuação ou atividade do senhor Gilberto Carvalho secretário geral da Presidencia da República?  A incompetencia do mesmo é inequívoca. Outrora, existia um porta-voz na Presidencia da República com a atribuição de comunicar os atos do Presidente como o nome já diz. Hoje, vemos a Pesidanta a balançar-se durante os pronunciamentos (parecendo mais uma gangorra), a ocupar espaço no radio e tv para falar, falar e nada dizer, a ponto de ser vaiada por moradores do RJ, os quais foram às varandas e sacadas externar seus repúdios. A pífia declaração da Presidencia, em nada resolve os apelos da nação. Um Presidente de fato, comunicaria ao povo, os atos que iria efetivar no dia seguinte; as providencias que urgem ser tomadas em respostas positivas aos atos populares em todo país. Reunir-se com governadores, prefeitos e demais políticos, não demonstra sensibilidade de um governante, muito menos femenina. A crise é séria e o povo não está nada satisfeito com as promessas do Planalto. O buraco é bem mais embaixo. è populismo puro, declara que todos os recursos serão destinados à educação. Será dinheiro entregue nas mãos das raposas que aí estão. Não mudará nada! Presidanta, não brinque com fogo! O gigante brasileiro acordou e não saírá das ruas enquanto não ver suas reivindicações totalmente atendidas.

Por: Roy Lacerda.

VELHOS POLÍTICOS: MEDO!

Prefeitos, governadores, Presidanta e demais autoridades perplexos com a explosão de sucesivos protestos nas cidades brasileiras e diante de um Brasil até então desconhecido e, sem saber-se como lidar. A presidanta Dilma que inicialmente mostrou-se despreocupada, declarou que a marcha popular nas ruas, é coisa de jovens. Perguntamos: no tempo em que era guerilheira, tambem não era jovem? Talvez não saiba que a juventude iniciou os protestos. mas, com o passar dos dias, brasileiros de todas as idades estão aderindo aos reclames. Portanto.... mas uma vez fala bobagens. Temendo o inevitável prejuízo politico-eleitoral, foi às pressas aconselhar-se com o padrinho Lula. A realidade é que o país vive um levante. e não apenas pela redução das tarifas de ônibus. È por direitos: melhores escolas e hospitais. Mas empregos e segurança, melhor qualidade de vida etec. O aviso está sendo dado. O sinal amarelo de alerta, está cada vez mais amplo e forte.

Por: Roy Lacerda.

UM GOVERNO NA CORDA BAMBA!

 

 

 

 

 

 

 

Os últimos acontecimentos no país, revelam de maneira muito forte a insatisfação popular. Começou na abertura da Copa das Confederações, quando ao ser anunciada a presença da Presidanta, uma tremenda vaia foi uníssona no estádio endereçada a Dilma rousseff. A Globo tentou no início abafar o som. Mas tendo em vista a duração da mesma, o som ambiente usado pelas pelas emissoras teve que ser liberado. A base de sustentação do governo está literalmente quebrada, quando vários integrantes de todos os partidos, tambem mostram descontentamento com o atual governo. A força dos reclames populares está evidenciada, na medida em que 12 capitas atuando em sincronia jamais vista, alertam todos os governantes para trabalharem sim, prol do povo. Nas entre-linhas das manifestações está inserido tudo aquilo que a classe política tem a obrigação de fazer e não faz. A nação brasileira cansou-se de tanto massacre. Botou pra valer o  Bloco nas ruas". O alerta foi dado com letras maiúsculas. A opinião pública clama os direitos adquiridos. Não adianta mais a Presidanta 'bater o pezinho ou fazer biquinhos". E muito menos gritar: "Manteegaaa! não estou gostando da acústica do Mané Garrincha!"

Por Roy Lacerda.

ERA UMA VEZ UM SISTEMA ELETRICO

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Começa o desmonte da Eletrobrás

A edição da medida provisória 579 em 11/9/2012, que trata da renovação das concessões do setor elétrico e da redução de preços nas tarifas de energia, depois transformada em Lei 12.783/2013, pelo governo federal, atingiu em cheio a Eletrobrás, que controla a maior parte do parque gerador de energia elétrica do país.

Com a desastrada intervenção do governo em nome da boa causa do corte das tarifas, os efeitos resultaram em um prejuízo de R$ 6,8 bilhões em 2012, o maior da história da empresa; depois de sucessivos anos positivos da estatal, que em 2011 lucrou R$ 3,7 bilhões.

Este modelo adotado para diminuir as tarifas e a renovação das concessões reduziu drasticamente a receita das empresas a valores que comprometeram a capacidade de investimento e a qualidade dos serviços oferecidos, como também pôs em risco a reconhecida competência técnica do setor. Os cortes de receita refletirão diretamente em corte de pessoal. Ou seja, a competência acumulada pelo setor em anos será dissolvida, como exemplos já vistos de outros setores que acabaram sendo privatizados.

Durante a apresentação do Plano Diretor de Negócios e Gestão da companhia, em 28/3, o presidente da Eletrobrás afirmou que espera a adesão de 5 mil, ou seja, 18,5% dos 27 mil funcionários da estatal ao Plano de Incentivo ao Desligamento, que será implantado nas empresas da holding. O plano de desligamento é uma das iniciativas previstas pela companhia para reduzir custos. Para 2013, a meta será de 20%, mas esse percentual será aumentado para 30% nos próximos três anos. Para a execução do plano foi alocada a importância de R$ 2,4 bilhões, incluindo R$ 380 milhões em despesas com planos de saúde. No caso da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), empresa da maior importância para o Nordeste, não só pela geração de energia elétrica, o esvaziamento será grandioso. A companhia alcançou um lucro líquido em 2011, próximo dos R$ 2,2 bilhões de reais, e em 2012 teve um prejuízo recorde de R$ 5,3 bilhões em decorrência de ajustes contábeis por conta da renovação das concessões com vencimento em 2015, será literalmente desmontada. O Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PIDV), como é chamado o corte de pessoal para enxugamento da folha de pagamento, que gira hoje em torno de R$ 900 milhões/ano, será implementado a partir do dia 6/6/2013, e ao longo de 2014. É prevista assim uma economia da ordem de R$ 200 milhões/ano. A direção da estatal está confiante que “contribuirá” com a redução de pessoal do grupo Eletrobrás afastando de seu quadro de funcionários em torno de 30%, dos 5.737 funcionários existentes (abril de 2012).

O que está acontecendo hoje com o grupo Eletrobrás, e com suas empresas que detém a liderança na geração e transmissão de energia elétrica no Brasil com a redução dos custos operacionais, incluindo o desligamento de funcionários, entre outras medidas tomadas é o “modus operandi” que foi adotado na privatização das empresas estatais.

Portanto, o atual governo federal caminha a passos largos no processo de privatização de mais um patrimônio do povo brasileiro. Quem viver verá.

Heitor Scalambrini Costa
Professor da Universidade Federal de Pernambuco

 

QUEM TEM, TEM MEDO!

A presidanta Dilma abriu as portas do governo para a comissão da Verdade. Todos os pedidos que chegam ao gabinete da Chefe-da-casa Civil são imediatamente analisados, inclusive com a colaboração de outros ministérios com pessoal, tecnologia e grana. Os assessores que iniciaram a Comissão, cerca de 14, hoje são 70 e nos próximos dias a turma será reforçada por um centena de analistas de informações contratos pelo MEC. Tambem é analisada a possibilidade de estender por mais seis meses, evitando assim, que o trabalho termine em maio de 2014 e sua consequente divulgação de resultados (relatòrio) às vésperas da Copa do Mundo e, principalmente no período da campanha presidencial. Ocorre que, o Brasil realiza seu acerto der contas com o passado tardiamente. Cerca de quarenta anos depois da saída dos militares.

Por Roy Lacerda.

BRINCADEIRA EM HORA.

È gozadora a vontade do ZÈ "mensalinho" Dirceu em querer mudar o relator do mensalão. Em hipótese alguma tal situação pode ser instalada. E ele como advogado que é, sabe disso. Portanto, é mais uma tentativa de colocar-se no centro das atenções. Independentemente de qualquer situação, as penas foram promulgadas pelo superior Tribunal Federal, instância maior do judiciário do Estado Brasileiro. Assim sendo, resta tão somente cumprir a decisão. Algo diferente disso, è piada ou a total desmoralização da Instituição.

Por: Roy Lacerda.

COMO SURGIU O DIA DO TRABALHO

A data surgiu em 1886, quando trabalhadores americanos fizeram uma paralisação no dia primeiro de maio para reivindicar melhores condições de trabalho. O movimento se espalhou pelo mundo e, no ano seguinte, trabalhadores de países europeus também decidiram parar por protesto. Em 1889, operários que estavam reunidos em Paris (França) decidiram que a data se tornaria uma homenagem aos trabalhadores que haviam feito greve três anos antes.Além de ser um dia de descanso, o 1º de maio é uma data com ações voltadas para os trabalhadores. Não por acaso, a Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) no Brasil foi anunciada no dia 1º de maio de 1943. Por muito tempo, o reajuste anual do salário mínimo também acontecia no Dia do Trabalho.

Gradativamente, outros países foram aderindo ao feriado. No Brasil, o feriado começou por conta da influência de imigrantes europeus, que a partir de 1917 resolveram parar o trabalho para reivindicar direitos. Em 1924, o então presidente Artur Bernardes decretou feriado oficial.

O BICHO TÁ "PEGANDO"

 

Para ciência de todos, aparentemente o HOMEM NÃO É MAIS INTOCÁVEL, EIS o  CPF do ex-presidente para consulta de demais processos no site do TRF, é:

CPF: 070.680.938-68
SAIU NA IMPRENSA PORTUGUESA PORQUE, COMO TODOS SABEM,
A IMPRENSA BRASILEIRA É MUITO BEM PAGA PELO PT PARA PROTEGÊ-LO.
ENTÃO, TEMOS QUE FAZER NÓS, INTERNAUTAS, O PAPEL QUE A IMPRENSA NÃO FAZ.
O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PEDIU O BLOQUEIO DOS BENS DO LULA NO VALOR DE
R$ 9.526.070,64 POR  IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.
Já sei, você não acredita não é mesmo ?
Então confira o processo na Justiça Federal:
htpp://processual.trf1.jus.br/consultaProcessual/processo.php?secao=DF&proc=78070820114013400

Depois de abrir o link acima, clique em "PARTES" e verá o nome doLula. Se quiser poderá acompanhar o desfecho.
Processo: 0007807-08.2011.4.01.3400
Classe: 65 – AÇÃO CIVIL PÚBLICA
Vara: 13ª VARA FEDERAL
Juiz: PAULO CESAR LOPES
Data de Autuação: 31/01/2011
Assunto da Petição: 1030801 –  DANO AO ERÁRIO –
IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA  –  ATOS ADMINISTRATIVOS – ADMINISTRATIVO
Observação
:  ASSEGURAR O RESSARCIMENTO DOS BLOQUEIO DOS BENS DO LULA!
A notícia que todo Brasil esperava foi publicada em 23/10/12 no jornal Correio da Manhã em Portugal, quem quiser confirmar é só clicar no endereço abaixo: no site português:

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/internacional/mundo/ministerio-publico-pede-bloqueio-de-bens-de-lula

Isso é a pontinha do iceberg. Se resolverem investigar fortemente o BNDES e Eike Batista iremos chegar a pelo menos US$ 40 bilhões segundo a revista americanaFORBES
.
Os PTralhas estão doidos com a notícia se espalhando.
Se você ainda é PTista, e continua votando nessa quadrilha, boa sorte, continue assim, e deixará um um belo futuro brasileiro para seus filhos e netos.

 

ADEUS, COMPANHEIRA

 

Adeus, Companheira
Escrito por Fabio Blanco 
(Revista VEJA)
Miraram na raposa, acertaram na ovelha.
É isso que acontece quando uma lei é feita apenas para satisfazer grupos ideológicos.

E as empregadas domésticas? Venderam a elas a ideia de que agora teriam os direitos idênticos aos de todos os empregados formais, que passariam a gozar de férias, FGTS, horas extras... E algumas estavam até comemorando, pois, se o pessoal lá de Brasília falou que elas têm direito, então, a partir de agora, bastaria exigi-los.
Doce ilusão! O que elas estão recebendo, e em massa, são comunicações de dispensa.
Alguém pensou que seria diferente? Acreditem, o poder público não pode direcionar o mercado como muitas pessoas acham que ele pode. Ele tenta, cria normas, faz leis, impõe regras, mas, no fim das contas, o fator decisivo sempre será a oferta e a procura.
O que os fazedores de lei esqueceram, neste caso, é que o trabalho doméstico, se muitas vezes parece indispensável, é uma necessidade de natureza bastante diversa em comparação ao trabalho em uma empresa comercial. Esta, por definição, precisa de empregados para existir, para prestar seus serviços, fabricar seus produtos, vender seus bens. Sem funcionários uma empresa não existe. O trabalho doméstico, pelo contrário, por mais que pareça indispensável, em sua ausência não se altera a natureza do domicílio. Pode causar alguns transtornos, mas o lar permanece um lar, com ou sem empregada.

Ora, bastava dar uma olhadinha para países mais ricos, como os EUA e Canadá, para saber que o endurecimento de regras trabalhistas, ao invés de colaborar para o implemento de direitos, de fato, impedem sua efetivação.
Nesses países o trabalho doméstico é quase inexistente. Com exceção de pessoas com muito dinheiro, poucos se atrevem a contratar um trabalhador doméstico com todos os encargos que lhe são peculiares. Porém, nesses países mais ricos o impacto dessa impossibilidade é absorvido por outras oportunidades de emprego. Aqui no Brasil, porém, onde ainda para pessoas sem formação específica a oferta de trabalho não é assim tão abundante, conceder direitos formais, ao invés de conceder ganhos para os supostos beneficiados, é o que acaba promovendo é o desemprego.
O resultado dessa lei será, portanto: a demissão em massa de trabalhadoras domésticas, lançando-as para o trabalho autônomo de diaristas, com o óbvio aumento de oferta desse tipo de serviço, com a consequente diminuição dos valores de remuneração, exatamente por causa da concorrência. Quiseram favorecer os empregados, acabaram apenas favorecendo os patrões. Principalmente aqueles que sempre fugiram de arcar com os custos trabalhistas. Miraram na raposa, acertaram na ovelha.
É isso que acontece quando uma lei é feita apenas para satisfazer grupos ideológicos. Estes, normalmente, são terrivelmente míopes para a história e para os fatos. Vêem tudo pela ótica do explorador e explorado, pela luta de classes e não percebem que, na realidade, as relações são bem mais complexas do que isso. O que mais ouvi, nestes dias, foi a retórica da libertação das domésticas, o fim de sua escravidão, e que essa era a última conquista que restava na área trabalhista. Porém, será que nunca se perguntaram o motivo delas possuírem menos direitos que os trabalhadores de empresas? Talvez, sim. Porém, como é de praxe, concluíram que isso devia-se a preconceito, interesse ou segregação.
Ao que parece, que nenhum deles parou para pensar é que a natureza do trabalho doméstico é completamente diferente do trabalho empresarial.
Melhor dito: o empregador doméstico jamais pode ser colocado em pé de igualdade com o empresário.Este, ao pagar salários, incorpora esses gastos nos preços de seus produtos e serviços. Por isso, o número de funcionários que possui depende, diretamente, da projeção de vendas e negócios que espera realizar. O empregador domiciliar, pelo contrário, paga sua empregada doméstica com o dinheiro de seu próprio bolso, sem possibilidade de reembolso. Aqui, funcionário é apenas gasto; lá, é investimento.
Por tudo isso, já se pode considerar esta uma das piores leis trabalhistas da história.
***



 

 

E VIVA A FOLIA DE "MOMO"

Atras do Trio Elétrico, só não vai quem já morreu! Assim afirmou o Caetano. E nossa equipe não é de ferro. Após a folia, estaremos de volta ao batente.

Boa diversão a todos.

By Redação.

.

E AGORA PRESIDANTA?

Apòs o 'mensalão' do governo Lula,  PRESIDANTA continua a sua agonia a cada dia. A 'bola da vez" é o escritório Presidencial em Sampa. O que é que houve com Rose?

A Polícia Federal está atrás de um motoboy chamado Roberto.

O motociclista profissional, que está desaparecido, tem em seu poder 10

comprometedores envelopes com documentos de alto interesse para a Operação
Porto Seguro. O rapaz simplesmente não cumpriu a missão de entregar o
material enviado ao consultor José Dirceu de Oliveira e Silva pela agora
exonerada chefe de Gabinete da Presidência da República, Rosemary Novoa de
Noronha.

Amiga pessoal do ex-Presidente Lula da Silva, ela foi indiciada por
coordenar um mega esquema de corrupção ativa e tráfico de influência para
beneficiar empresas que faziam negócios com o Governo Federal. A avaliação
geral é que Rose não tinha competência para comandar, sozinha, um esquema
tão complexo. Logo, Rose tinha um chefão por trás dela. Quem era? A PF e o
MPF só não descobrem se não quiserem.

Outra bomba m antida em sigilo da Operação Porto Seguro deixa Lula e Rose na
maior saia justa. A Superintendência da Polícia Federal, em Brasília, já
está de posse de 122 gravações de conversas telefônicas entre Luiz Inácio
Lula da Silva e Rosemary Novoa de Noronha. Ele a chamava de “Rose” ou
“Rosa”. Ela o tratava pelo amoroso apelido de “Tio”. Nas conversas, Rose
passava ao amigo informações sobre quem deveria receber em audiência e para
quem deveria mandar documentos.

Todo esse material sigiloso – que pode ser varrido do mapa pelas
conveniências do poder – foi recuperado por uma empresa de alta tecnologia
paulista que pode tornar públicas as informações, caso sofra ameaças ou
retaliações. Os arquivos foram recuperados de um computador cujo Hard Disk
(HD) fora formatado, na vã tentativa de esconder e eliminar informações
comprometedoras. O azar dos bandidos é que a empresa, com tecn ologia
israelense, consegue salvar 100% dos dados de um disco rígido que tenha
sido formatado até oito vezes seguidas.

Agora, o medo maior do Palácio do Planalto é que vazem documentos ainda
mais comprometedores sobre Rose e suas ligações pessoais e de negócios com
Lula – e também com José Dirceu. A Presidenta Dilma Rousseff fará neste
domingo sua terceira reunião seguida do desesperado Gabinete de Crise.
Neste sábado, em mais uma tensa sessão de espinafração, Dilma resolveu
exonerar Rosemary Novoa de Noronha. Como ela não pediu exoneração, conforme
fora aconselhada a fazer, acabou saída por Dilma. A Presidenta escalou seu
Secretario-Geral Gilberto Carvalho para transmitir a terrível notícia a
Lula, assim que ele desembarcou da viagem à Índia.

Dilma também canetou José Weber Holanda Alves (Advgado-Geral-Adjunto da
União. Só não se sabe se o superior dele Luis Inacio (co m S) Adams tenha
repetido a costumeira artimanha do Luiz Inácio (com Z), alegando que nada
sabia sobre o que seu imediato fazia de errado. Dilma pode também
afastá-lo, assim que puder. Adams, que sonhava com o STF, agora vive um
pesadelo acordado e tem tudo para ficar desempregado.

Mais uma bomba! A Agência Brasileira de Inteligência foi alertada em
outubro de que haveria uma investigação sobre Rosemary. No informe de
classificação A1A, a Abin informou ao Gabinete de Segurança Institucional
da Presidência de que Rosemary enviava documentos para apartamentos em
Interlagos e nos Jardins. O material seria destinado, pessoalmente, a José
Dirceu e Luiz Inácio Lula da Silva

Lula teria falado sobre o delicadíssimo assunto da investigação sobre Rose
com a Presidenta Dilma durante o último jantar antre ambos. Dilma cobrou da
PF se havia tal investagação. Foi-lhe alegado que nada havia na P F, mas que
poderia ter algo sendo engendrado no Ministério Público. Quinze dias atrás,
Dilma soube que o caso era gravíssimo e poderia estourar a qualquer momento.

E explodiu feio! Na verdade, tudo parece um grande contra-golpe. O que
teria desencadeado o ápice da Operação Porto Seguro foi o movimento radical
do PT contra a Justiça, o Ministério Público e, especificamente, contra o
Procurador-Geral Roberto Gurgel – ameaçado de indiciamento da CPI do
Cachoeira. O “troco” ao radicalismo burro da petralhada veio em alta
velocidade.

Agora, a PF e o MPF têm um complicado quebra-cabeças para montar – que mais
parece o roteiro de uma novela mexicana. Também não será fácil provar que a
Dilma não tinha “domínio dos fatos”. Parece que se repete a novela do
Mensalão – com milhões de reais de agravantes, já que não dá para crer que
uma super-secretária e amiga de Lula tinh a poder para coordenar todo o
crime que agora lhe atribuem.

*Foi o “Black Friday de Lula”*

Em tese, um mito nunca morre. Mas os poderes míticos se enfraquecem. Seja
por influência do Poder da Justiça ou do Poder Divino. O risco de
condenação judicial provoca danos à imagem, ainda mais se acabar em
condenação, com pagamento de multas, prisão e, pior ainda, perda de
direitos políticos. Já a condenação divina pode custar mais cara ainda.
Perder a voz ou a vida, por acaso, tem preço?

Eis os dois perigos atualmente sofridos pelo mito Luiz Inácio Lula da
Silva. Não resta dúvidas de que a temporada de caça a Lula está
abertí ssima. A estrela máxima do PT corre o risco de sair ofuscada ou até
apagada por várias investigações judiciais já públicas ou que ainda correm
em segredo judicial: Mensalão parte 2, BMG-PT-Lula, Delta-Cachoeira,
Petrobrás e Eletrobrás. Mas sexta-feira estourou a gota d´água contra Lula
e seus parceiros: a Operação Porto Seguro – que até podia ter sido
criativamente batizada de “*Aguenta, Coração*”...

O caso mais grave é o conjunto de provas materias sobre a existência um
Gabinete Paralelo da Presidência da República, operando no 3º andar do
prédio da Previ, na esquina da Rua Augusta com Avenida Paulista, em São
Paulo. O “escritório” servia para práticas de crimes de tráfico de
influência e corrupção ativa. Em troca de muita grana, favores,
“presentinhos” ou viagens, a quadrilha promovia fraudes de documentos
públicos ou soluções pouco convencionais de problemas pa ra empresas
interessadas em fazer negócios ou licitações com o Governo Federal.

O batom na cueca vermelha de Lula é que todo o esquema era comandado por
uma amiga muito íntima dele: Rosemary Novoa de Noronha, chefe de gabinete
da Presidência da República em São Paulo –que acabou exonerada neste sábado
pela irada Presidenta Dilma Rousseff. As investigações da PF indicam que a
“Doutora Rose”, como era mais conhecida, recebia salário de de R$ 11.179,36
para servir ao ex-Presidente. Até sexta-feira, Rose era um “Porto Seguro”
para o “Tio” Lula. Agora, se transforma em uma “*Atração Fatal*”.

Nos bastidores petistas, todo mundo sabe que Rose talvez só seja menos
importante para Lula que a ex-primeira dama Mariza Letícia. Literalmente,
Lula tomou um tiro no coração com a operação Porto Seguro da PF e do MPF. A
desagradável surpresa aconteceu no momento em que Lula recebia , no palácio
presidencial Rashtrapati Bhavan, em Nova Déli, na Índia, o prêmio Indira
Gandhi pela Paz, Desarmamento e Desenvolvimento 2010. Em São Paulo, sem
dúvida, foi armada uma arapuca para declarar guerra total a Lula, acabando
com a paz dele – inclusive e principalmente dentro de seu apartamento, em
São Bernardo do Campo.

Como o caso corre no famoso e providencial “segredo judicial”, são
gigantescas as chances de não serem tornadas públicas as ligações
telefônicas entre os super amigos Rose e Lula. As Velhinhas de Taubaté do
PT já espalham na mídia amestrada a fantasiosa versão de que “não resta
dúvida de que Lula não sabia das atividades ilegais atribuídas ao grupo,
que integrava um esquema que produzia pareceres favoráveis aos interesses
de grandes empresas junto ao governo federal”.

*CPI da Rose?*

A previsão do tempo para segunda-feira é: O Brasil explode politicamente.
Dilma tentará se blindar, com discurseira de combate à corrupção,
justificada com as exonerações em alta velocidade. Tudo pode piorar se o
dólar subir, sem controle do Banco Central, alimentando o risco de
problemas econômicos.

Segunda-feira também recomeça o julgamento para definição de penas dos
condenados no Mensalão. No Congresso, a oposição falará grosso contra Lula
e o PT, pedindo uma CPI sobre a escandalosa Operação Porto Seguro que
também mexe com o ex-senador Gilberto Miranda – que é ligadíssimo ao
poderoso presidente do Senado, José Sarney.

Investigações da PF indicam que “Doutora Rose” era responsável pe la
nomeação e pelas ações fora da lei promovidas pelos “Irmãos Vieira”: Paulo
Rodrigues Vieira, diretor da Agência Nacional de Águas (ANA), Rubens Carlos
Vieira, diretor de Infraestrutura Aeroportuária da Agência Nacional de
Aviação Civil (Anac) e Marcelo Rodrigues Vieira, também da Anac. Detalhe
importante: os irmãos Vieira eram apadrinhados de Lula, Rose e Dirceu.

O escândalo transforma em “roubo de galinha” o Mensalão agora julgado no
STF. Envolve servidores da Agência Nacional de Transportes Aquaviários
(Antaq), da Anac, da Superintendência do Patrimônio da União (SPU), do
Tribunal de Contas da União (TCU), da Advocacia Geral da União (AGU) e do
Ministério da Educação (MEC). A organização criminosa atuava também
agilizando processos em órgãos públicos e falsificando documentos em troca
de dinheiro e vantagens. Os pareceres fraudados eram usados por empresas
inter essadas em processos de licitação junto ao governo.

“Doutora Rose” era poderosa e muito influente. Na década de 90, foi
assessora de José Dirceu de Oliveira e Silva. Naquela época, conheceu Luiz
Inácio. Rose começou a trabalhar no governo Lula em 2003 como assessora
especial do gabinete da Presidência em São Paulo. Em 2005, virou a “Doutora
Rose, ao ser nomeada chefe de gabinete do escritório regional da
Presidência, na Avenida Paulista.

Rose já esteve envolvida em problemas na do governo Lula. Em 2006, quando
explodiu o escândalo dos gastos com cartões de crédito corporativos, o nome
dela estava na lista de 65 servidores que fizeram saques para pagamento de
despesas da Presidência. O deputado Indio da Costa (DEM-RJ), então
candidato a vice-presidente na chapa de José Serra (PSDB), e o senador
Alvaro Dias (PSDB-PR) pediram a convocação de Rose para depor na CPI criada
para investigar o uso dos cartões corporativos. O caso, como tantos outros,
deu em nada.

Rosemary é tão ligada Lula que costumava participar da maioria de suas
viagens internacionais, nos oito anos de governo. Chegou a fazer 17 viagens
presidenciais, entre 2005 e 2010. Somando todas, teria embolsado R$ 45 mil
em diárias. Rose costuma integrar o Escav (escalão avançado), equipe que
preparava a chegada de Lula aos países. Rose estaria separada de José
Cláudio de Noronha. O ex-marido marido ocupa um cargo de assessoria
especial na administração regional da Infraero em São Paulo. Deve ser
também “justiçado” pela ira de Dilma.

A cúpula petista sabia que Rose era amiga íntima de Lula. Logo, se ele “não
sabia de nada” que ela fazia, o maior mito apedeuta do universo poderia se
considerar um sujeito traído?

Se for, e voltar ao Brasil jurando pela felicidade da nação corinthiana que
de nada sabia, Lula merecerá ser tratado como uma espécie de “*Grande Corno
Político*”.

Talvez a ele se aplique uma versão atualizada e parodiada de um velho
provérbio:

“*Diga-me com quem amas que vos direi quem és*”.

O risco real: esse perigoso caso pode acabar em ruptura institucional ou na
pizza podre de sempre...

A INTELIGÊNCIA DE UMA PRESID'ANTA!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Presidência da República

Casa CivilSubchefia para Assuntos Jurídicos


LEI Nº 12.605, DE 3 DE ABRIL DE 2012.
Determina o emprego obrigatório da flexão de gênero para nomear profissão ou grau em diplomas.
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:Art. 1o As instituições de ensino públicas e privadas expedirão diplomas e certificados com a flexão de gênero correspondente ao sexo da pessoa diplomada, ao designar a profissão e o grau obtido.Art. 2o As pessoas já diplomadas poderão requerer das instituições referidas no art. 1o a reemissão gratuita dos diplomas, com a devida correção, segundo regulamento do respectivo sistema de ensino.Art. 3o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. Brasília,  3  de  abril  de 2012; 191o da Independência e 124o da República.DILMA ROUSSEFF
Aloizio Mercadante
Eleonora Menicucci de Oliveira

Agora Aprendam...Acabou a moleza.
Quem relutava, se negava ou criticava o pedido meigo de Dilma de ser tratada como PresidentA pode preparar-se para não ser pego fora da lei.No último dia 3 de Abril, a PresidentA sancionou a Lei 12.605/12. Pra quem ainda duvida, está lá no site daPresidentA.A lei determina a obrigação da flexão de gênero em profissões. Ou seja, agora é PresidentA, gerentA, pilotA, etc…Vou aproveitar para exigir que alguns sejam tratados a partir de agora como flamenguistO, jornalistO, dentistO, motoristO, etc.Ai, ai, ai..., só no Brasil!... Mas..., esperar o que... de quem?Pergunto se alguém sabe se alguns tipos de senador, deputado e vereador continuam como vigaristA ou muda pra vigaristO?

MOMENTOBRASIL.COM(Comentário):

Hoje fui ao oculistO, depois de passar no dentistO e, ao chegar no carro o motoristO informou-me de um acidente com um trem onde o maquinistO não teve culpa.OS NOSSOS PARABÉNS À INTELIGENCIA da nossa PRESID'ANTA!

A FORÇA DE UMA CACHOEIRA

 

A certeza da impunidade.

MOMENTOBRASIL.COM(Comentàrio):

O país está estarrecido com a noticia da soltura e da pena aplicada ao senhor Carlos "Cachoeira". Provado está que, no Brasil quem tem dinheiro não fica preso. A certeza da impunidade esteve todo o tempo das investigações da CPI, estampada no rosto do empresário. O deboche esteve evidenciado na fisionomia do 'bicheiro'. Esse resultado final, comprova que a nação não tem mais em quem confiar. As instituições governamentais, perderam o respeito a si próprio. Por essas e outras, que a credibilidade da nação e do país lá fora, é nenhuma. Somos sinônimos de ladrões e preguiçosos; a nossa classe politica é corrupta. Portanto, só nos resta, queixar-se ao "Bispo" (se isso for possível). Triste Brasil" um país 'incorrigível". cada povo tem o governo que merece! PORTANTO.. viva quem tem dinheiro.

(Por Roy Lacerda).

N.E. (em parceiria com o MomentoBrasil blogspot).









O 1/5 E OS 2/5 DOS INFERNOS

 


Durante o Século 18, o Brasil-Colônia pagava um alto tributo para seu colonizador, Portugal.
Esse tributo incidia sobre tudo o que fosse produzido em nosso País e correspondia a 20% (ou seja, 1/5) da produção. Essa taxação altíssima e absurda era chamada de "O Quinto".
Esse imposto recaía principalmente sobre a nossa produção de ouro.
O "Quinto" era tão odiado pelos brasileiros, que, quando se referiam a ele, diziam
"O Quinto dos Infernos".
E isso virou sinônimo de tudo que é ruim.
A Coroa Portuguesa quis, em determinado momento, cobrar os "quintos atrasados" de uma única vez, no episódio conhecido como "Derrama".
Isso revoltou a população, gerando o incidente chamado de "Inconfidência Mineira", que teve seu ponto culminante na prisão e julgamento de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes.
De acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário IBPT, a carga tributária brasileira chegou ao final do ano de 2011 a 38% ou praticamente 2/5 (dois quintos) de nossa produção.
Ou seja, a carga tributária que nos aflige é praticamente o dobro daquela exigida por Portugal à época da Inconfidência Mineira, o que significa que pagamos hoje literalmente "dois quintos dos infernos" de impostos...
Para quê?
Para sustentar a corrupção? Os mensaleiros? O Senado com sua legião de "Diretores"? A festa das passagens, o bacanal (literalmente) com o dinheiro público, as comissões e jetons, a farra familiar nos 3 Poderes (Executivo/Legislativo e Judiciário)?!?

Nosso dinheiro é confiscado no dobro do valor do "quinto dos infernos" para sustentar essa corja, que nos custa (já feitas as atualizações) o dobro do que custava toda a Corte Portuguesa!
E pensar que Tiradentes foi enforcado porque se insurgiu contra a metade dos impostos que pagamos atualmente...!
Relembramos assim, parte da História do Brasil...

O PT BAIANO e o DEM

 

O PT sagrou-se o grande vencedor dessas eleições municipais. Não sou eu quem diz, mas os principais cientistas políticos e articulistas dos mais importantes sites do país. No entanto, perdeu a eleição em Salvador, terceiro maior colégio eleitoral do Brasil. Estranho? Não. Primeiro porque o PT nunca ganhou uma eleição na cidade. No período democrático, tivemos dois prefeitos do PMDB, Mário Kertész e Fernando José, depois Lídice da Mata pelo PSDB – que até pouco tempo estava mais para o PT que para o DEM –, e então Antônio Imbassahy, pelo PFL (atual DEM), dando porrada duas vezes em Nelson Pelegrino. Chegamos então a João Henrique, que, na carona da escolha errada de ACM para candidato de seu partido, colocou César Borges para perder do PDT de João. João Henrique, que caiu nas graças do soteropolitano por ter conseguido impedir o horário de verão e o pagamento de estacionamento em shopping (nosso herói), acabou sendo a tábua de salvação da esquerda, que o apoiou no segundo turno. Como JH não sabia o que fazer nem com a cidade nem com os aliados e partidos, acabou mudando para o PMDB, a esquerda se afastou e ele foi reeleito, já pelo partido de Geddel, batendo em Walter Pinheiro, novamente confirmando um nocaute petista: agora escorado, também, pelo DEM de ACM Neto. Por sinal, o DEM de ACM Neto, além das duas prefeituras com Imbassahy, teve importante participação na segunda gestão de JH, ao contrário do PT que ficou escorregando em cargos do primeiro mandato de João, sem significar muito e, viu-se logo, rachando e apanhando em 2008.
Por que será, então, que Salvador, onde Lula sempre teve expressivas votações, onde mesmo perdendo pra Paulo Souto a eleição para o governo em 2002, Jaques Wagner teve vitória expressiva na capital, onde o próprio teve grande votação quando foi eleito e reeleito para governador da Bahia, cidade onde Dilma ganhou de lavada, por que será que o PT nunca conquistou a tão sonhada prefeitura da capital?
O PT não tem quadro nem bons candidatos. Pelegrino comprovou seu talento de perdedor por sua inexpressividade, pela sua participação nos debates do segundo turno, onde ele não conseguia responder nada e foi dominado pelo seu opositor, e sua falta de personalidade, sempre se colocando como gandula do time de Lula, Dilma e Wagner: mostrou-se pateta e passou insegurança, estimulando o escárnio associado à sua falta de articulação no raciocínio e na voz. Pinheiro, assim como no caso do fenômeno Wagner, foi na correnteza de mudanças socioeconômicas e políticas assistencialistas do governo federal para ser eleito senador; com Lula como grande cabo eleitoral. Mas senador e governador são cargos amplos, relacionados a todo um estado com dimensão igual à da França. Prefeitura é outra coisa. É, ainda, uma personalização, alguém que sirva um pouco de herói, de sinhozinho, de coronel e de salvador. E não há ninguém do PT com perfil interessante para ser candidato. Ponto. Não há. Triste do povo que precisa de heróis, dizia Brecht, mas o povo de Salvador é essa tristeza, mesmo, ainda.É então que entra o grande problema do partido. Não tem quadro, não tem bons nomes, não tem pessoas significativas para causar impacto numa eleição, mas insistem em querer tomar o poder. Há uma mentalidade sindicalista, tacanha, ignorante de um todo que é a sociedade. A inabilidade de Wagner chegou ao ponto do fenômeno da ressurreição, visto que ele chamou artistas que reivindicavam uma melhor política cultural de viúvas do carlismo. Pois ele mesmo ressuscitou o defunto. Sua postura blasé combinando com a PeTulância. O PT parece não admitir que um nome venha de fora de sua sigla, julgam-se capazes e tenazes, e acabam por passar de ases a asnos. Todos sabem que há facções díspares lá dentro, e isso reforça aquela ideia que existia no Brasil de que a esquerda não se une. Enquanto foi assim, a direita reinou. Bastou a esquerda perceber que uma casa dividida não fica em pé e não só se coligou como acabou por se aliar aos que só sairão do poder quando morrer, visto que há nomes que continuam mandando desde a ditadura. E de lá não  sairão, esqueçam isso. Contudo, as oligarquias perderam força. Um bom exemplo, aqui no nordeste, é o da família Sarney. Aos poucos, seu império, sua ideia de hegemonia, de feudo vai se enfraquecendo. Foi preciso José Sarney se candidatar pelo Amapá para voltar ao senado. Mas está lá, como presidente da casa, apesar de tudo. Em Salvador, o PT, com sua cabeça dura,  insistiu mais uma vez em Pelegrino e no que é que deu? Deu a cidade de Salvador a ACM Neto, tão representativo no nome que seria uma boa comparação pensar num neto de Sarney sendo prefeito de São Luís. Mas lá quem ganhou foi Edivaldo Holanda Jr., nada de neto de ninguém, apoiado pelo PSB de Eduardo Campos, e membro do conselho político de Dilma Rousseff.
Falando em Eduardo Campos, chega dá um embrulho no estômago. Jaques Wagner vem sangrando o PT em diversas áreas. Teve e está tendo imenso apoio federal e poderia estar alavancando a Bahia a um dos melhores estados do país. Poderia estar valorizando nossa cultura, nosso turismo, trazendo empreendimentos, grandes obras, grandes indústrias e aproveitando o maior litoral estatal do país, mas, não, vem apanhando feio de Eduardo Campos, que, em Recife, elegeu seu candidato no primeiro turno e se mostra como a grande força política do nordeste.
O PSB é um partido que vem crescendo, foi quem mais elegeu prefeitos em capitais e torna-se uma alternativa viável – mesmo sendo ainda um partido carente de definições ideológicas e de quadro na maioria das regiões – e alegra-me ter visto em diversos lugares disputas entre PT e PSB, PT e PDT, PCdoB e PSB, enfim, os partidos de esquerda 
cresceram, estão ganhando força e uma nova forma de política pode estar sendo feita no Brasil. Lula tem crédito nisso, sim, assim como Dilma, e o PT cresceu, a despeito do mensalão. 
O grande projeto Lula desse ano, a invenção de Haddad para ganhar a capital paulista, deu certo. Tem-se que dar o braço a torcer ao partido, mas suas práticas coadunadas com o que se vinha fazendo e eles condenavam, uma espécie de sanha stalinista para combater o aparente fascismo da direita que vinha mandando, tudo isso ainda precisa ser revisto num partido de radicalismo chato, que julga-se o salvador e a solução para o país.
Na Bahia, é pior. Porque falta quadro, falta competência, falta união, visão. O PT, em diversas cidades, arriscou alianças federais, com sua arrogância, lançando candidatos para disputar com partidos coligados, mas foi um erro razoavelmente bem calculado que não doerá tanto quanto perder o terceiro maior colégio eleitoral para o DEM, para a família Magalhães que a esquerda sempre lutou para tirar do poder. Noutros lugares importantes, o PT perdeu para “aliados”, para a “esquerda”. Jaques Wagner, com sua “wagareza”, com sua falta de tato e esperteza para conduzir duas greves arrebatadoras, com sua ignorância cultural, com seu quadro de secretários frágil e medíocre – desculpem-me todos, mas em qual área a Bahia mudou significativamente nesses seis anos pra melhor? –, com tudo isso, foi um cabo eleitoral significativo para o DEM. Seu governo é sempre pautado nas ações federais na Bahia, mais que de sua gestão, diretamente. A inabilidade, fraqueza, debilidade de Pelegrino também ajudaram 
significativamente e foram decisivas no segundo turno: não passou firmeza nem personalidade ao eleitorado e patinou frente à postura firme, quase autoritária de ACM Neto.
Insisto em ser esquerda e fico sempre torcendo por um pós-PT em Salvador sem nem mesmo passar por ele. Havia candidatos possíveis que poderiam, sim, numa coligação forte, ter significância. A própria Alice Portugal, pré-candidata, abriu mão de sua candidatura para fazer uma frente ampla de esquerda em prol do PT e de Pelegrino. 
Todos naufragaram. Lastimável.

Salvador, então, volta às mãos do DEM e de ACM: agora, o neto. Duas siglas que representam muito na cidade. Representam uma família que detém o poder da maior rede de comunicações da Bahia, quiçá do nordeste, a Rede Bahia, uma família que está à frente de empreendimentos empresariais e carnavalescos e tem a marca de seu nome em diversos lugares como se fossem donatários de uma capitania. O PT deixou Salvador nas mãos de um partido, o DEM, ex-PFL e Arena, principal partido da ditadura, partido que tem um histórico de ser contra políticas sociais, a favor de interesses particulares, de grandes empresários, um partido que beneficia uma determinada elite e castas, e não se abre ao diálogo, não admite críticas, é vingativo, enfim, um partido de passado bastante nefasto em diversos aspectos (e, em muitos aspectos, parece que o governo petista aqui se inspirou nisso tudo em determinados momentos).
Contudo, estamos em pleno século XXI. Outros valores, outra transparência, outras conquistas, novas vozes, direitos mais claros e democráticos. Salvador ressente-se de um projeto de gestão que bote a cidade nos trilhos. Calçadas e asfaltos recuperados, saúde, escola, cultura, requalificação urbana, recuperação de praças, solução da mobilidade urbana, tudo que todos já sabem e falam. ACM Neto e seu partido não devem ser estúpidos ao ponto de repetirem erros, truculências, formas antigas, retrógradas, reacionárias e ditatoriais de se fazer política, mesmo sendo do conhecimento de todos que boa parte dos mesmos voltarão, basta ver quem estava por trás da campanha. Bom ou ruim? Não julgo, apenas constato e digo que o DEM pode, inclusive, se apresentar renovado, pois o Brasil pendeu
pra um lado do qual eles não fazem parte; visto o enfraquecimento do partido, a cisão que gerou o PSD, etc. O ex-PFL não tem mais apoio federal, não tem mais onde se sustentar. 
Há um flerte rápido com o PSDB, que, assim como o PV, abandonou de vez uma cara de mais à esquerda em coligações que colocaram em destaque figuras importantes da ditadura. Mas isso não sustenta um partido que se esvaziou e enfraqueceu. Entrementes, o PSDB saiu mais fraco dessas eleições e a porrada em São Paulo será sentida em Minas Gerais, acreditem. Lá, quem ganhou foi um candidato que, mesmo apoiado por Aécio Neves, é do partido de Eduardo Campos, Lídice da Mata, Ciro Gomes, que, até segunda ordem, estão com Dilma. Ou o DEM sai renovado dessa gestão, ou já era. Salvador virou a tábua de salvação de um partido de histórico coronelista, reacionário, diretamente vinculado à ditadura. 
Salvador deu continuidade a uma forma de gestão que vem da ditadura, voltou com Imbassahy, teve um breve descanso em parte da primeira gestão de João Henrique e retomou seu prumo com o segundo mandato de JH.
Torcemos, acima de tudo, pela cidade, e se eles foram inteligentes, farão uma gestão mais pautada em demandas do século XXI, demandas das esquerdas que tomaram o poder, das conquistas sociais, econômicas e democráticas que alçaram o país ao destaque inegável que temos no mundo atual. Não sereow pessimistas.  Enquanto ficarmos partidarizados, os partidos serão maiores que as cidades. Fernando Henrique Cardoso criticou o PSDB, numa entrevista à Bandnews, dizendo que faltou o partido se renovar, pois o Brasil mudou, o eleitor mudou, estamos noutro momento. O DEM não pode ser tolo em achar que recuperaram seu feudo. A conversa agora é competência, gestão, administração, eficiência. Quem vacila, cai, e eles não estão bem estadualmente e nacionalmente para errar. Até porque se errarem, enterram o partido e as lideranças ligadas a ele de vez. Achamos difícil eles terem uma sobrevida, como pensar em eleger o próximo governador, caso ele não deseje voos maiores – e bem mais difíceis e durosl. O prefeito eleito,  pode até manter certo poder pela Bahia, estado atrasado de população atrasada e que o PT ajudou a não se desenvolver. Mas, vejam como as coisas se invertem nessa vida, ACM Neto e o DEM vão depender da quantidade de burradas que Wagner e o PT fizerem nos próximos dois anos. O DEM terá que ser um partido inteligente, pois, e a criação do PSD de Kassab fatalmente irá ocupar o espaço. Temos agora uma neodireita.

A despeito do “custo Lula” em relação à Petrobrás, apesar da maneira como ele deixou correr dinheiro solto da empresa petrolífera pela Bahia – de forma até mesmo eleitoreira –, José Sergio Gabrielli seria um bom nome para o PT nas próximas eleições. Mas já corre a boca pequena que a disputazinha petistazinha, interna e externamente, por poder, já faz Wagner pensar em lançar o demitido e ex-ministro Florence, ou até mesmo Rui Costa como seu sucessor. Há quem fale em Pinheiro. O PT está rachando, ruindo, abrindo espaço para que sua fraqueza seja a porta de entrada para outras lideranças.

Os 'soteropolitanos'  torcem agora por uma era por um pós-PT numa cidade enfraquecida de lideranças e políticos visionários, inteligentes, articulados e capazes, os antigos “donos” da Bahia podem retornar de vez como salvadores da incomPTência do Partido dos Trabalhadores no estado. Parodiando Heráclito,  dizemos:' o caminho para a esquerda e para a direita deve (ou deveria) ser um e o mesmo, o caminho do bem comum'.

PROFESSOR PEDE A BAHIA "DE VOLTA"

 

EM CARTA A ACM NETO, PROFESSOR PEDE A BAHIA "DE VOLTA"

Em carta aberta ao candidato do DEM à Prefeitura do Salvador, ACM Neto, o professor Wilson Gomes, da Universidade Federal da Bahia, faz uma reflexão e traz à tona memórias do império imposto ao longo de duas décadas do 'carlismo'; professor baiano oferece seu voto ao neto do "imperador", o falecido Antônio Carlos Magalhães (ACM), em troca de que o jovem herdeiro democrata lhe "devolva" a Bahia

18 DE OUTUBRO DE 2012 ÀS 15:14

Bahia 247

Em carta aberta ao candidato do DEM à Prefeitura do Salvador, ACM Neto, o professor Wilson Gomes, da Universidade Federal da Bahia, com dose extrema de inteligência, e com sarcasmo moderado, faz uma reflexão e traz à tona memórias do império imposto ao longo de duas décadas do carlismo, era na qual o estado teve como principal líder político o ex-governador e ex-senador Antônio Carlos Magalhães (ACM).

O professor baiano oferece seu voto ao neto do "imperador" baiano, em troca de que o jovem herdeiro democrata lhe "devolva" a Bahia. O texto, em si, faz um apanhado da 'marca' Magalhães espalhada por todo o estado com nomes de ruas, edifícios públicos e o que até hoje gera debates entre os carlistas conservadores (os poucos que restam) e a esquerda, que, liderada pelo PT, governa a Bahia há seis anos, a mudança do nome do aeroporto de Salvador.

ACM (o avô) conseguiu aprovar na Assembleia Legislativa a mudança do nome do terminal aeroviário que carregava toda a história da Bahia no letreiro situado na entrada do espaço, o 2 de Julho, data que marca a independência do estado. Hoje o nome oficial é Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães, em homenagem ao filho do então senador que faleceu depois de uma parada cardíaca ao fim de uma caminhada.

Abaixo o texto na íntegra.

Carta aberta de Wilson Gomes a ACM Neto

Caro Antonio Carlos Magalhães Neto, sei que pode parecer não fazer falta para o seu estoque, mas como os seus votos estão minguando nesta "reta final", considere a possibilidade de contar com o meu voto. É magrinho, mas é limpinho. Entretanto, como o meu DNA calvinista me impede de dar alguma coisa, assim, do nada, proponho uma barganha. Eu te dou o meu voto e a sua família devolve a minha Bahia.

Explico. Não é por nada, mas é que me incomoda o fato de a sua família ter marcado a Bahia inteira, como fazem os bichos territoriais que vejo no Animal Planet, com o seu cheiro...digo, nome. É difícil achar qualquer coisa pública criada nos últimos vinte anos nesta Província - viaduto, avenida, município, aeroporto, escola... monumento nem se fala - sem o nome de alguém da sua família ou de pessoas a ela consorciadas.

Quer prova? Dê um google. Se até mesmo a vovó (a sua) Arlete Magalhães, que ao que me resulta nunca recebeu um voto popular na Bahia, é nome de umas 15 escolas e centros de educação infantil e de umas três ruas no estado... Nem vou falar de vovô (o seu!) que deu mais nome a logradouros e edifícios públicos na Bahia que Luís XIV, o Rei Sol, foi capaz de dar ao Estado Francês durante os anos da sua glória. Titio (o seu, sempre o seu) nem se fala, não é mesmo? Começa pelo mausoléu em Pituaçu, guardado pela nossa força militar, com bandeira sempre tremulante e pira eternamente acesa, que daria uma pontinha de inveja a Shah Jahan, o imperador mongol que mandou fazer o Taj Mahal. Sem mencionar a, horror dos horrores!, usurpação do nome sagrado do Dois de Julho, trocado pelo de Dom Eduardo Magalhães, no aeroporto desta Cidade de São Salvador. E ainda tem outro monumento fúnebre, na Av. Garibaldi, para um sujeito cujo grande mérito público foi ter sido o candidato de ACM e morrido durante a campanha. Pois é.

Sei que tudo isso parece natural à sua família. Que talvez ainda ache pouco, e só lamente que essa porção de terra onde vivemos não seja oficialmente reconhecida como uma Capitania Hereditária dos Magalhães. Sei que eu estou me queixando de barriga cheia e que já dou sorte porque não deu tempo de estabelecer um Império Caronlígio Tropical - já que Carlos por Carlos, por que Carlos Magno estabeleceu uma dinastia e Antonio Carlos, não? Só por que o franco foi magno não quer dizer que o bahiense seja mínimo, não é mesmo? Reconheço isso tudo, embora um documentário que vi no Discovery tenha dito, para minha surpresa, que aquele Estreito de Magalhães lá do finzinho da América do Sul se refere a um obscuro navegador português e não a algum pródigo argonauta da sua família. Esse Discovery deve ser meio petista. Liga não.

Por outro lado, que sorte a de Antonio Vieira, Joana Angélica, Maria Quitéria, Ruy Barbosa e Castro Alves, heim? Já imaginou se tivessem morrido depois da instauração do direito feudal dos Magalhães de colocar o próprio nome em tudo o que é público? Não iria sobrar nada para os coitadinhos. Preocupa-me um pouco, claro, o fato de ter mais coisas na Bahia em nome de Dona Arlete do que de Raul Seixas, Glauber Rocha e Jorge Amado, mas são ossos do ofício, não é? Matriarca é uma coisa, artista é outra. Inda mais quando uma está viva e os outros, mortos. Agora o que me incomoda mesmo é que não sobre nada, nadica, para a gente perpetuar a memória de Caetano, João Ubaldo, Gilberto Gil e outros baianos sabidos que há por aí. É que gosto desses, sabe? Apego besta, sei que não são Magalhães, mas, coitados, isso não é dado a todos. Fico com medo de que ACM Bisneto ou ACM Tetraneto usem tudo quanto for logradouro, prédio, monumento, quiçá a própria Bahia, para colocar os nomes dos filhos de Luis Eduardo, do seu próprio, suas esposas, amigos, primos e apaniguados.

Bem era isso. Nem precisa que o Sr. devolva o nome dos logradouros e edifícios já recobertos pela honra do nome da sua família. Proponho quotas. Sei que é uma palavra petista aos seus ouvidos, mas não se assuste, pois, como vê, estou usando a grafia clássica. Uma quota de, digamos, 75% para os Magalhães e 25% para os demais, baianos e não-baianos, já me deixaria satisfeito. Mas também faço por 20% e não se fala mais nisso.
Pense com carinho. Qualquer coisa, me procure até o dia 7.

Atenciosamente.

Seu, humilíssimo, WG.

 

EMPREENDEDORISMO

Prostituta mineira dá palestras sobre empreendedorismo
Ana Claudia Silvestre, 23 anos, 4 apartamentos em áreas nobres de Belo Horizonte e R$ 780 mil investidos em fundos de renda fixa. Com um patrimônio estimado em 2 milhões de reais a ex-funcionária da C & A hoje se tornou uma das mais bem sucedidas jovens empreendedoras do país.
Hoje suas palestras são disputadas pelo mercado corporativo e estão orçadas em cachês semelhantes ao do técnico Bernardinho (seleção brasileira de vôlei) aproximadamente R$ 45 mil por 50 minutos de lições de vida.
Ana Claudia nos sites de prostituição era conhecida Bárbara, e os clientes a apelidavam carinhosamente de ‘filhinha’. Trabalhou dos 16 aos 19 anos como embaladora na C & A e decidiu ingressar na prostituição para pagar a faculdade. Estudante de pós-graduação em Bussiness Law ela transformou sua experiência na cama em cases de sucesso que são temas de artigos científicos em sua extensa bibliografia.
A criação de diferenciais competitivos foi a receita do sucesso de Ana Claudia neste mercado extremamente competitivo. Compilamos algumas de suas principais dicas de como enriquecer com prazer:
01. Homem gosta de demonstrar poder por meio de suas realizações financeiras. Não aceite lembrancinhas, quem gosta de lembrança é vítima de mal de Alzheimer.
02. Cerveja não é bebida de vencedores. Se não tiver dinheiro para um espumante peça água com gás. Glamour agrega valor a sua marca.
03. Foco na satisfação do cliente. Esposa pode ter pudores, mas a mulher de aluguel jamais. Encantar o cliente antecipando suas demandas é fundamental.
04. Lustre o ego do cliente. Elogie os pontos positivos de sua performance ou do corpo. Se ele não tiver nenhum ponto a ser elogiado invente. O prazer sexual do homem não reside no orgasmo e sim na satisfação de ter ‘dominado’ uma fêmea.
05. A incompletude é a maior virtude de um empreendedor. O cliente precisa ter no imaginário que nunca conseguiu esgotar suas possibilidades e ficar a desejar o que está por vir.
Em três anos Ana Claudia acumulou um patrimônio de R$ 2 milhões e vive uma vida de muito conforto e elegância. Atualmente fixou seu cachê para encontros sexuais em R$ 15 mil, para reduzir o fluxo de atendimentos e se dedicar à conclusão de sua monografia e às palestras em todo Brasil. Ela atribui seu sucesso ao fato de ter levado para a vida profissional os conhecimentos acadêmicos oferecidos pelo curso de Administração de Empresas.
Mais uma vez a Educação fazendo a diferença na vida das pessoas…

Banco Central do Brasil, ACORDA! Roubos no Sistema Monetário - Não Deveríamos Estar Seguros?

Pagamos tantas taxas e juros aos bancos, mas porque não temos segurança?
O tanto de dinheiro que damos ao Sistema Monetário não deveria ser suficiente para ampliarem as redes de segurança, criptografia, agilidade em detectar invasão na Rede Bancária?
Mas não é o que está acontecendo, cartãoes estão sendo clonados, dinheiro está sendo sacado diretamente da conta sem autorização do correntista...
Isso me lembra um filme que vi há algum tempo, "Prenda-me se for Capaz" (2002), com Leonardo de Caprio. Conta a história de um dos maiores falsificadores de cheques dos EUA, o golpe foi aplicado não só na América como também em 26 países. Para enganar as autoridades, Frank Abgnale Jr. se passa por piloto de avião, médico, promotor e até professor de História. O longa-metragem foi baseado em história real, ambientado nas décadas de 60 e 70. Frank chegou a dar golpes no valor de US$ 2,5 milhões em cheques falsos antes mesmo de completar 21 anos. Ele foi preso em 1974, o governo federal dos Estados Unidos o libertou sob a condição de que Frank deveria ajudar as autoridades federais contra fraudes monetárias. Os bancos o contrataram para impedir que outros roubassem o Sistema Bancário.
Será possível que teremos que prender as quadrilhas que estão fazendo isso para então contratarmos um deles para nos proteger?
Seria uma grande ironia do destino... E uma afronta...


(Por Roy Lacerda - Jornalista (DRT/MT.2634) (EDITOR).

Eis matéria muito bem  elaborada por um Especialista em Finanças:

FRAUDES NOS BANCOS X CORRENTISTAS
"Consultando os relatórios disponíveis no site do Banco Central do Brasil - BC coletei a informação de que os bancos existentes no Brasil produziram um LUCRO LÍQUIDO de R$ 55,2 bilhões somente no exercício de 2010. Essa sangria sistemática à poupança nacional não é citada pelos ECONOMISTAS que só veem aberrações nas atividades públicas. Os bancos gastaram em 2010 R$ 64 bilhões com empregados orgânicos e R$ 19 bilhões em serviços terceirizados, correspondentes a 23% dos gastos declarados com pessoal, exceto vigilância e segurança (que acredito ser segurança patrimonial) e somente R$ 13 bilhões em Processamento de Dados; Telecomunicações e Comunicações. Não existem dados claros sobre os investimentos na segurança dos dados dos correntistas (SECURITY CHECK e SECURITY OF THE DATA).
Faz-se necessário uma atuação maior do BC na regulamentação exigindo que os bancos publiquem informações que possam criar condições do BC mensurar o quanto se investe em segurança de dados e em segurança do usuário; deve-se também exigir que os bancos publiquem de forma destacada seus custos com indenizações, acordos judiciais ou não, além de perdas provenientes das fraudes obtidas por invasões nos sistemas internos dos bancos, assim como, com a clonagem de cartões de débitos e créditos, com o propósito do BC criar critérios de avaliação ou índices de produtividade que devem ser alcançados pelos bancos com a finalidade de mitigar os prejuízos morais e financeiros dos correntistas do Sistema Bancário. Sugiro até, se for o caso, que essas despesas não sejam dedutíveis para efeito de cálculo do imposto de renda a pagar. A União não pode ser penalizada com a redução da receita com o imposto de renda causada por políticas ineficientes dos gestores dos bancos. Vejo que essas seriam medidas que estimulariam os bancos na prevenção dessas fraudes contra, principalmente, seus correntistas que são assolados diariamente com o susto de verem seus recursos desaparecerem das contas correntes, por má utilização de cheques e cartões extraviados ou clonados, com saques em caixas automáticos, empréstimos consignados, ou mesmo vazamento de dados sigilosos e confidenciais sem seu conhecimento ou autorização. Soube informalmente que a rotatividade dos empregados próprios e, principalmente, dos terceirizados fragiliza a segurança desses dados que por Lei devem ser tratados como confidenciais.
Agora, no final de agosto no meu ambiente de trabalho temos 3 (três) pessoas, 50% do efetivo, enfrentando simultaneamente adversidades com seus bancos, um público e 2 privados.
Qual o custo financeiro e emocional para essas pessoas que saem da tranqüilidade de correntistas corretos para a condição de devedores, insolventes ou mesmo veem seu dinheiro desaparecer das suas contas-correntes, poupanças, ou ainda, veem as suas contas dos cartões de crédito aumentarem por aquisições feitas por desconhecidos utilizando cartões clonados? Quem paga os deslocamentos dessas pessoas até as suas agências bancárias para tentarem amigavelmente resolver o problema? Quem paga as horas ou dias não trabalhados para resolver os problemas advindos desses tipos fraudes?
E quando as fraudes bancárias envolvem os idosos que contam com pouco poder de compreensão dos fatos, ou mesmo estão incapacitados fisicamente, ou mesmo nem notam que as fraudes estão ocorrendo? Quem os protegem?
Existe outro problema econômico que envolve essa situação. Essas fraudes trazem embutidas de forma velada custos aos empregadores que prescindem da labuta dos seus empregados que quando descobrem o desfalque em suas contas saem desesperados em busca de solução para seu infortúnio.
Esses são problemas pontuais que o BANCO CENTRAL DO BRASIL tem que estudar visando buscar soluções que venham proteger única e principalmente as pessoas físicas, correntistas, que tem pouco tempo, pouco recurso ou mesmo pouco poder de compreensão para entender e resolver esses infortúnios".

(Por PAULO ROBERTO DUTRA DA SILVA
Contador - Especialista em Finanças, com MBA pela FGV em Gestão Administrativa).

TAPAR O SOL

Leitura obrigatória para quem, de fato, quer conhecer a verdade, escrita por alguém que foi testemunha ocular da história.
“O julgamento do STF realiza-se à vista de milhões de telespectadores. Não é uma conspiração”

GOSTARIA DE deixar claro que não tenho nada de pessoal contra o ex-presidente Lula, nem nenhum compromisso partidário, eleitoral ou ideológico com ninguém. Digo isso porque, nesta coluna, tenho emitido, com alguma frequência, opiniões críticas sobre a atuação do referido político, o que poderia levar o leitor àquela suposição.

Não resta dúvida de que tenho sérias restrições ao seu comportamento e especificamente a certas declarações que emite, sem qualquer compromisso com a verdade dos fatos. E, se o faço, é porque o tenho como um líder político importante, capaz de influir no destino do país. Noutras palavras, o que ele diz e faz, pela influência de que desfruta, importa a todos nós.

E a propósito disso é que me surpreende a facilidade com que faz afirmações que só atendem a sua conveniência, mas sem qualquer compromisso com a verdade. É certo que o faz sabendo que não enganará as pessoas bem informadas, mas sim aquelas que creem cegamente no que ele diga, seja o que for.

Exemplo disso foi a entrevista que deu a um repórter do “New York Times”, quando voltou a afirmar que o mensalão é apenas uma invenção de seus adversários políticos. E vejam bem, ele fez tal afirmação quando o Supremo Tribunal Federal já julgava os acusados nesse processo e já havia condenado vários deles. Afirmar o que afirmou em tais circunstâncias mostra o seu total descompromisso com a verdade e total desrespeito com às instituições do Estado brasileiro.

Pode alguém admitir que a mais alta corte de Justiça do país aceitaria, como procedentes, acusações que fossem meras invenções de políticos e jornalistas irresponsáveis?

E mais: os ministros do STF passaram sete anos analisando os autos desse processo, tempo mais que suficiente para avaliá-lo. Afirmar, como faz Lula, que tudo aquilo é mera invenção equivale a dizer, implicitamente, que os ministros do STF são coniventes com uma grande farsa.

Mas o descompromisso de Lula com os fatos parece não ter limites. Para levar o entrevistador do “NYT” a crer na sua versão, disse que não precisava comprar votos, pois, ao assumir a Presidência, contava com a maioria dos deputados federais.

Não contava. Os verdadeiros dados são os seguintes: o PT elegera 91 deputados; o PSB, 24,; o PL, 26, o PC do B, 12, num total de 153 deputados. Mesmo com os eleitos por partidos menores, cuja adesão negociava, não alcançava a metade mais um dos membros da Câmara Federal.

Cabe observar que ele não disse ao jornalista norte-americano que não comprou os deputados porque seria indigno fazê-lo. Disse que não os comprou porque tinha maioria, ou seja, não necessitava comprá-los. Pode-se deduzir, então, que, como na verdade necessitava, os comprou. Não há que se surpreender, Lula é isso mesmo. Sempre o foi, desde sua militância no sindicato. Para ele, não há valores: vale o que o levar ao poder ou o mantiver nele.

Sucede que, apesar do que diga, ninguém mais duvida de que houve o mensalão. Pior ainda, corre por aí que o Marcos Valério está disposto a pôr a boca no mundo e contar que o verdadeiro chefe da patranha era o Lula mesmo, como, aliás, sempre esteve evidente. E já o procurador-geral da República declarou que, se os dados se confirmarem, o processará. É nessas horas que o Lula falastrão se cala e desaparece. Às vezes, chama Dilma para defendê-lo.

Desta vez, chamou o Rui Falcão, presidente do PT, para articular o apoio dos líderes da base política do governo. Disso resultou um documento desastroso, que chega ao ponto de acusar o Supremo de perpetrar um golpe de Estado contra a democracia, equivalente aos golpes que derrubaram Vargas e João Goulart. Pode? Vargas e Goulart, como se sabe, foram depostos pela extrema direita com o apoio de militares golpistas.

O julgamento do STF realiza-se às claras, à vista de milhões de telespectadores. Não é uma conspiração. Ele desempenha as funções que a Constituição lhe atribui. E que golpe é esse contra um político que não está no poder?

O tal manifesto só causou constrangimento. O governador Eduardo Campos, de Pernambuco, deu a entender que foi forçado a assiná-lo, após rejeitar três versões dele. Enfim, mais um vexame. Só que Lula, nessas horas, não aparece. Manda alguém fazer por ele, seja um manifesto, seja um mensalão.

(Publicado  pela “FOLHA”, o texto magnífico de Ferreira Gullar, que, diga-se de passagem, é de esquerda, talvez seja o que melhor definiu o presidente Lula nos últimos tempos. Quase uma minibiografia).(Por FERREIRA GULLAR).


LULA e o MENSALÃO

“O julgamento do STF realiza-se à vista de milhões de telespectadores. Não é uma conspiração”
GOSTARIA DE deixar claro que não tenho nada de pessoal contra o ex-presidente Lula, nem nenhum compromisso partidário, eleitoral ou ideológico com ninguém. Digo isso porque, nesta coluna, tenho emitido, com alguma frequência, opiniões críticas sobre a atuação do referido político, o que poderia levar o leitor àquela suposição.
Não resta dúvida de que tenho sérias restrições ao seu comportamento e especificamente a certas declarações que emite, sem qualquer compromisso com a verdade dos fatos. E, se o faço, é porque o tenho como um líder político importante, capaz de influir no destino do país. Noutras palavras, o que ele diz e faz, pela influência de que desfruta, importa a todos nós.
E a propósito disso é que me surpreende a facilidade com que faz afirmações que só atendem a sua conveniência, mas sem qualquer compromisso com a verdade. É certo que o faz sabendo que não enganará as pessoas bem informadas, mas sim aquelas que creem cegamente no que ele diga, seja o que for.
Exemplo disso foi a entrevista que deu a um repórter do “New York Times”, quando voltou a afirmar que o mensalão é apenas uma invenção de seus adversários políticos. E vejam bem, ele fez tal afirmação quando o Supremo Tribunal Federal já julgava os acusados nesse processo e já havia condenado vários deles. Afirmar o que afirmou em tais circunstâncias mostra o seu total descompromisso com a verdade e total desrespeito com às instituições do Estado brasileiro.
Pode alguém admitir que a mais alta corte de Justiça do país aceitaria, como procedentes, acusações que fossem meras invenções de políticos e jornalistas irresponsáveis?
E mais: os ministros do STF passaram sete anos analisando os autos desse processo, tempo mais que suficiente para avaliá-lo.
Afirmar, como faz Lula, que tudo aquilo é mera invenção equivale a dizer, implicitamente, que os ministros do STF são coniventes com uma grande farsa.
Mas o descompromisso de Lula com os fatos parece não ter limites. Para levar o entrevistador do “NYT” a crer na sua versão, disse que não precisava comprar votos, pois, ao assumir a Presidência, contava com a maioria dos deputados federais.
Não contava. Os verdadeiros dados são os seguintes: o PT elegera 91 deputados; o PSB, 24, o PL, 26, o PC do B, 12, num total de 153 deputados. Mesmo com os eleitos por partidos menores, cuja adesão negociava, não alcançava a metade mais um dos membros da Câmara Federal.
Cabe observar que ele não disse ao jornalista norte-americano que não comprou os deputados porque seria indigno fazê-lo. Disse que não os comprou porque tinha maioria, ou seja, não necessitava comprá-los.
Pode-se deduzir, então, que, como na verdade necessitava, os comprou. Não há que se surpreender, Lula é isso mesmo. Sempre o foi, desde sua militância no sindicato. Para ele, não há valores: vale o que o levar ao poder ou o mantiver nele.
Sucede que, apesar do que diga, ninguém mais duvida de que houve o mensalão. Pior ainda, corre por aí que o Marcos Valério está disposto a pôr a boca no mundo e contar que o verdadeiro chefe da patranha era o Lula mesmo, como, aliás, sempre esteve evidente.
E já o procurador-geral da República declarou que, se os dados se confirmarem, o processará.
É nessas horas que o Lula falastrão se cala e desaparece.
Às vezes, chama Dilma para defendê-lo. Desta vez, chamou o Rui Falcão, presidente do PT, para articular o apoio dos líderes da base política do governo.
Disso resultou um documento desastroso, que chega ao ponto de acusar o Supremo de perpetrar um golpe de Estado contra a democracia, equivalente aos golpes que derrubaram Vargas e João Goulart. Pode? Vargas e Goulart, como se sabe, foram depostos pela extrema direita com o apoio de militares golpistas.
O julgamento do STF realiza-se às claras, à vista de milhões de telespectadores. Não é uma conspiração.
Ele desempenha as funções que a Constituição lhe atribui. E que golpe é esse contra um político que não está no poder?
O tal manifesto só causou constrangimento. O governador Eduardo Campos, de Pernambuco, deu a entender que foi forçado a assiná-lo, após rejeitar três versões dele. Enfim, mais um vexame. Só que Lula, nessas horas, não aparece.
Manda alguém fazer por ele, seja um manifesto, seja um mensalão.

(Fonte: Ferreira Goulart)

 

NINA E CARMINHA EM BRASÍLIA

 

Se o mensalão não tivesse existido, ou se não fosse descoberto, ou se Roberto Jefferson não o denunciasse, muito provavelmente não seria Dilma, mas Zé Dirceu o ocupante do Palácio da Alvorada, de onde certamente nunca mais sairia.  Roberto Jefferson tem todos os motivos para exigir seu crédito e nossa eterna gratidão por seu feito heróico:  "Eu salvei o Brasil do Zé Dirceu".

Em 2005, Dirceu dominava o governo e o PT, tinha Lula na mão, era o candidato natural à sua sucessão.  E passaria como um trator sobre quem ousasse se opor à sua missão histórica.  Sua companheira de armas Dilma Rousseff poderia ser, no máximo, sua chefe da Casa Civil, ou presidente da Petrobrás.

Com uma campanha milionária comandada por João Santana, bancada por montanhas de recursos não contabilizados arrecadados pelo nosso Delúbio, e Lula com 85% de popularidade animando os palanques, massacraria Serra no primeiro turno e subiria a rampa do Planalto nos braços do povo, com o grito de guerra ecoando na esplanada:  "Dirceu guerreiro/do povo brasileiro".  Ufa!

A Jefferson também devemos a criação do termo "mensalão".  Ele sabia que os pagamentos não eram mensais, mas a periodicidade era irrelevante.  O importante era o dinheirão.  Foi o seu instinto marqueteiro que o levou a cunhar o histórico apelido que popularizou a Ação Penal 470 e gerou a aviltante condição de "mensaleiro", que perseguirá para sempre até os eventuais absolvidos.

O que poderia expressar melhor a idéia de uma conspiração para controlar o Estado com uma base parlamentar comprada com dinheiro público e sujo?  Nem Nizan Guanaes, Duda Mendonça e Washington Olivetto, juntos, criariam uma marca mais forte e eficiente.

Mas, antes de qualquer motivação política, a explosão do maior escândalo do Brasil moderno é fruto de um confronto pessoal, movido pelos instintos mais primitivos, entre Jefferson e Dirceu.  Como Nina e Carminha da política, é a história de uma vingança suicida, uma metáfora da luta do mal contra o mal, num choque de titãs em que se confundem o épico e o patético, o trágico e o cômico, a coragem e a vilania.  Feitos um para o outro.

O "chefe" sempre foi José Dirceu.  Combativo, inteligente, universitário - não sei se completou o curso - fala vários idiomas, treinado em Cuba e na Antiga União Soviética, entre outras coisas.  E com uma fé cega em implantar a Ditadura do Proletariado a "La Cuba".

Para isso usou e abusou de várias pessoas e, a mais importante - pelos resultados alcançados - era Lula.  Ignorante, iletrado, desonesto, sem ideais, mas um grande manipulador de pessoas, era o joguete ideal para o inspirado José Dirceu, aproveitando a abertura feita por outro SOCIOLOGO não menos catimbante que governava o País.

Lula não tem caráter nem ética, e até contava, entre risos, que sua família só comia carne quando seu irmão "roubava" mortadela no mercado onde trabalhava.A perversidade para o mal era tanta, que conseguiu cortar os dedos, para escapar de ser mandado embora da empresa que trabalhava, e estacionou nos balcões de um Sindicato, onde acabou fundando o PT, com outros metamórficos do genero.  Ou seja, o padrão ético era frágil.  E ele, o Dirceu, que fizera tudo direitinho, estava na hora de colher os frutos e implantar seu sonho no país.

Aí surgiu Roberto Jefferson...na medida e deu no que deu.

Mas o que será do País agora ??? se até as Forças Armadas estão dominadas ?

A análise de Nelson Motta está perfeita. E o Povão acredita no PT... amém, paga seus impostos, pra essa turba dos subterraneos dos Sindicatos .(Nelson Motta - O Estado de S.Paulo).

O PAÍS QUE EU QUERO.

Foi num dia 7 de setembro, no século XIX. A História encheu de magia o gesto espontâneo de um imperador amante do Brasil.
Laços fora! Independência ou morte! são frases repetidas, dramatizadas, recordadas a cada novo Sete de Setembro.
Desfiles militares, hasteamento da bandeira, execução do hino nacional se sucedem em rememoração à Independência do Brasil.
Olhando para as ruas do meu país, nesse festejar de 190 anos de independência, me surpreendo com os desejos de minha alma patriota.
Da alma que assiste o pavilhão nacional tremular ao vento, mostrando as cores vibrantes que falam de verdura, riqueza, um céu de estrelas, ordem e progresso.
Quero um país independente, uma nação livre.
Livre da corrupção, da desonestidade e do compadrio.Livre das drogas, das armas de guerra e dos discursos vazios, da violência de todas as cores.
Quero um país onde as crianças possam sair à rua, para suas brincadeiras, sem medo de seqüestros.
Possam ir à praia, ao campo, jogar futebol na quadra da esquina, sem que tenham de se esquivar de balas perdidas.
Eu quero um país onde se respeite o idoso, não porque ele não tenha a destreza da juventude, mas porque nele se reconheça a experiência dos anos vividos e das contribuições à sociedade por largos anos de trabalho.
Eu quero um país sem medo do amanhã. Um país que tenha os olhos no futuro e, por isso, invista na formação do cidadão.
Um país com escolas, bibliotecas e museus, franqueadas a todos.
Um país que preze seu passado e nunca esqueça dos seus heróis.
Dos heróis que defenderam suas fronteiras, com armas, com leis, com a vida e com a voz. Dos heróis de todos os dias, de todas as raças, que deixaram seu torrão natal e adotaram uma nova pátria.
Dos heróis que suaram sangue, trabalharam duro, desbravaram matas, criaram filhos.
Dos heróis que a História venera. Dos heróis que deram sua vida pelo ideal de uma nação sem escravidão. Uma nação de irmãos.
Eu quero um país responsável, onde os governantes sejam conscientes de seus deveres.
E onde o povo eleja seus representantes, não iludidos por promessas utópicas, mas porque conhecem a vida honrada do candidato e suas propostas maduras, coerentes, viáveis de aplicação a curto, médio e longo prazos.
Eu quero um país justo, que ampare a quem trabalhe, não àquele que somente sabe enumerar pretensos direitos.
Um país que proteja seus filhos, preserve suas riquezas, distribua seus bens.
Um país de paz. Um país de luz.
O país que eu quero não é irreal, nem impossível.
Ele somente depende de mim, de você, de cada um dos seus mais de 180 milhões de habitantes.
Pensemos nisso, hoje, agora, enquanto os versos do hino pátrio nos exortam a agradecer a Deus por um país tão vasto, tão rico, tão maravilhosamente pleno de belezas naturais e oportunidades de progresso.
(Redação do Momento Espírita)



 

PREMIO DE CONSOLAÇÃO

Após ser preterida como candidata do PT a prefeitura de sampa, apenas 15 dias depois de subir no palanque do Fernando Haddad e aparecer no programa eleitoral, a Senadora Marta Suplicy, que já foi ministra do turismo no governo Lula, enfrentando tremendo 'apagão aéreo', notabililizou-se pela abobrinha proferida em entrevista :" O povo que relaxe e goze!" e autora do projeto que estabelece a União de pessoas do mesmo sexo( e ainda não votada), ganha como premio de consolação o ministério da cultura em substituição a Ana Hollanda cuja atuação de há muito descontenta a PresidentA. Negando o fato do 'doce na boca da criança', afirmou: 'Vou tomar contato do misitério, estudar antes de me pronunciar. Vou com muita humildade estudar as questões do minitério que é fantástico e temos muitas coisas pra fazer.  È um convite honroso e surpreendente da presidente e vou atendê-la. A nação que se previna. Pois virá por aí novas pérolas. Aguardem.

PARADOXO NO STF

Já que falamos da bela carreira do nobre Ministro Joaquim Barbosa, vejam a carreira de seu colega Dias Toffoli !

Nome: José Antonio Dias Toffoli

Profissão (atual): Ministro do Supremo Tribunal Federal /STF- Suprema Corte.

Idade: 41 anos

Breve histórico de seu Currículo, para entender a "coisa:"

- Formado pela USP

- Pos Graduação: nunca fez

- Mestrado: nunca fez

- Doutorado: tambeeeeemmmm não

- Concursos: 1994 e 1995 foi reprovado em concursos para juiz estadual em São Paulo.

( é estadual e não Federal, não vá se confundir).

- Depois disso, abriu um escritório e começou a atuar em movimentos populares. Nessa militância, aproximou-se do deputado federal Arlindo Chinaglia e deu o grande salto na carreira ao unir-se ao PT.

Em Brasília:

Aproximou-se de Lula e Jose Dirceu; que o escolheram para ser advogado das campanhas 1998, 2002 e 2006; Com a vitória de Lula, foi nomeado subchefe assuntos Jurídicos da Casa Civil, então comandada por José Dirceu; Com a queda do chefe, pediu demissão e voltou a banca privada; Longe do governo, trabalhou na campanha à reeleição de Lula, serviço que lhe rendeu 1 milhão de reais em honorários. No segundo mandato, voltou ao governo como chefe da Advocacia-Geral da União;

- Toffoli é duas vezes réu. Ele foi condenado pela Justiça, em dois processos que correm em primeira instância no estado do Amapá. Em termos solenemente pesados, a sentença mais recente manda Toffoli devolver aos cofres públicos a quantia de 700.000 reais – dinheiro recebido "indevidamente e imoralmente" por contratos "absolutamente ilegais", celebrados entre seu escritório e o governo do Amapá.

- Um dos empecilhos mais incontornáveis para ele é sua visceral ligação com o PT, especialmente com o ex-ministro José Dirceu, o chefe da quadrilha do mensalão. De todos os ministros indicados por Lula para o Supremo, Toffoli é o que tem mais proximidade política e ideológica com o presidente e o partido. Sua carreira confunde-se com a trajetória de militante petista – essa simbiose é, ao fundo e ao cabo, a única justificativa para encaminhá-lo ao Supremo.


*Posse na "cadeira dos sonhos:"


N.E. Indicação também do ex-presidente Lula.

 

E HAJA ESCÂNDALOS...

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Serviço Secreto de FHC monitorou militantes antineoliberalismo:

Documentos sigilosos do governo FHC, já desclassificados, indicam que militantes e políticos de esquerda, do Brasil e do exterior, foram monitorados pelo serviço secreto quando participavam de atividades antineoliberalismo. “Me assusta saber que um governo tido como democrático tutelou de forma ilegal pessoas que participavam de eventos pacíficos, que não representavam nenhuma ameaça à segurança nacional”, afirmou à Carta Maior o ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto de Carvalho.

Brasília - Documentos sigilosos do governo Fernando Henrique Cardoso, abertos à consulta pública no Arquivo Nacional, indicam que militantes e políticos de esquerda que participavam de seminários, encontros e fóruns contra o neoliberalismo foram monitorados pela Subsecretaria de Assuntos Estratégicos (SAE), o órgão que substituiu o Serviço Nacional de Inteligência (SNI), em 1990, até a criação da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), em 1999.

Como a maioria dos documentos desclassificados são os de nível reservado e se referem apenas ao período 1995-1999, não é possível precisar o grau deste monitoramento. Pela nova Lei de Acesso à Informação, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff em maio, os documentos reservados são liberados decorridos cinco anos, os secretos, 15 e os ultrassecretos, os mais importantes, somente após 25 anos. Mas o acervo já disponível deixa clara a linha de atuação do se rviço.

Há registros que fazem referências explícitas às informações colhidas em revistas e jornais, prática tida como recorrente no serviço que perdera status e orçamento após o fim da ditadura. Mas outros revelam espionagem direta. O seminário “Neoliberalismo e soberania”, por exemplo, promovido pela Associação Cultural José Marti, a Casa da Amizade Brasil-Cuba, no Rio de Janeiro, de 5 a 9 de setembro de 1999, foi integralmente gravado em 12 fitas cassetes, entregues ao escritório central da SAE.

Chiapas

Em julho de 1996, o serviço deu especial atenção à realização, em Chiapas, no México, do Encontro Internacional pela Humanidade e contra o Neoliberalismo. “A significativa presença internacional de ativistas de esquerda transforma a região em novo polo de atração revolucionária latinoamericana”, dizia o documento produzido pelo escritório central da SAE. Os relatórios também contêm pautas de discussões, análise de conjuntura e listas de participantes brasileiros.
O ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto de Carvalho, figura nesta lista. “Me assusta muito saber que um governo tido como democrático tutelou de forma ilegal pessoas que participavam de eventos absolutamente pacíficos, que não representavam nenhuma ameaça à segurança nacional”, afirmou à Carta Maior. Na época secretário nacional de Comunicação do PT, o ministro disse recordar-se que não divulgara sua participação no evento. “É possível até que a SAE tenha contado com o apoio de algum serviço secreto de outro país”, acrescentou.
Mesmo fazendo a ressalva de que tais procedimentos poderiam não ser de total conhecimento do presidente à época e que as informações sobre a natureza do trabalho da SAE no período ainda estão incompletas, o ministro avalia que a simples menção do nome de uma pessoa que participou de um evento d e mocrático em documentos oficiais do serviço secreto é uma prática condenável. “O que a gente espera do serviço secreto de um governo democrático é que ele esteja atuando para defender as fronteiras do país, evitar ameaças externas, e não para monitorar pessoas que estavam lutando pelo aprimoramento da democracia”, acrescentou.
O coordenador do Projeto Memória e Verdade da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência, Gilney Viana, na época deputado federal pelo PT, foi outro fichado por participar do evento em Chiapas. Ex-preso político da ditadura por dez anos, ele sabia que seus passos foram ostensivamente seguidos pelos agentes secretos até a extinção do SNI, mas ficou chocado ao saber que continuou a ser alvo durante um governo democrático. “Eu até compreenderia que os Estados Unidos estivessem monitorando o evento de Chiapas, mas o serviço secreto brasileiro realmente me surpreendeu”, disse.
BelémO II Encontro pela Humanidade e contra o Neoliberalismo mereceu atenção redobrada por ter sido realizado em território brasileiro. Mesmo as etapas preparatórias do evento, que ocorreu em Belém (PA), de 6 a 11 de dezembro de 1999, estão registradas na SAE. Um relatório antecipa a mensagem do subcomandante Marcos, do Exécito Zapatista para Libertação Nacional do México, para o evento. Há relações de participantes e descrição dos assuntos debatidos nas etapas preparatórias de pelo menos Belém, Salvador, Brasília e Macapá. 
O lançamento do evento, patrocinado pela prefeitura de Belém, também foi documentado. No relatório da SAE, há a informação de que os organizadores queriam incrementar a geração de recursos por meio da venda de objetos com a logomarca do evento, a realização de shows com artistas locais bem como com as inscrições. Entre os participantes do II Encontro, estão o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a filósof a Marilena Chauí, o sociólogo Chico de Oliveira e o ex-governador do Rio Leonel Brizola, além dos escritores José Saramago e Luiz Fernando Veríssimo. 
Foro de São Paulo
Considerado à época o principal organismo aglutinador de partidos e entidades de esquerda do continente, o Foro de São Paulo, criado em 1990 pelo PT com o apoio do então presidente cubano Fidel Castro, também teve suas atividades amplamente monitoradas. A 6ª edição, realizada em El Salvador, em julho de 1996, está registrada em relatório sobre as atividades internacionalistas do PT. 
A 7ª edição, que aconteceu em Porto Alegre (RS), em 1997, foi ainda mais espionada. O pacote de documentos realtivos ao evento inclui relatórios setoriais produzidos pelos grupos de trabalho, lista completa de presenças e até fotos dos participantes. São citadas lideranças de esquerda, nacionais e internacionais. Entre os brasileiros, o ministro Gilberto de Carva lh o, o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro e o deputado estadual gaúcho, Raul Pont (PT). 
Em relatório específico, a SAE observou que, durante o evento, o então ex-prefeito da capital gaúcha Tarso Genro havia lançado o livro “O orçamento participativo – a experiência de Porto Alegre”, escrito em parceria com o então secretário de formação do PT, Ubiratan de Souza, classificado como “ex-militante da VPR”.
Os relatórios relativos à 8ª edição, que ocorreu no México, em 1999, registraram as presenças de vários brasileiros, como o atual líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) e do hoje assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia.
Grupo do México
O 4º Encontro do Grupo do México, realizado em Santiago, no Chile, nos dias 10 e 11 de maio de 1997, foi registrado pela SAE em relatório como o “marco do surgimento de uma po lítica que transcende a esquerda”. De acordo com o serviço secreto brasileiro, “o Grupo do México é formado por representantes de partidos de centro-esquerda e teve sua origem a partir do PNUD, com o objetivo de buscar a construção de um projeto econômico para a América Latina, alternativo aos padrões neoliberais”.
Na documentação, estão descritos os principais pontos de unidade entre os presentes e há uma lista com os nomes dos brasileiros presentes. Entre eles, o ex-presidente Lula, seus ex-ministros petistas José Dirceu e Mangabeira Unger, o ex-governador do Rio, Leonel Brizola (PDT), os ex-deputados Vivaldo Barbosa (PDT-RJ) e Zaire Resende (PMDB-MG), além de Marco Aurélio Garcia e Tarso Genro, entre outros.
Attac no Brasil
O diretor-presidente da Carta Maior, Joaquim Palhares, também foi citado em documentos da SAE, principalmente por ter sido, em 1996, ao lado do ativista Chico Whitaker, um dos funda dore s no Brasil da Associação pela Tributação das Transações Financeiras para ajuda aos Cidadãos (Attac), criada na França, com o objetivo de instituir um imposto sobre transações financeiras internacionais. “Muitos militantes de esquerda ainda tinham a impressão de estarem sendo monitorados mesmo após a ditadura. Mesmo assim, a confirmação desta prática causa indignação”, afirma.
Crítica contundente da ciranda financeira de capitais voláteis alimentada pelo neoliberalismo, a Attac foi preocupação constante para a SAE. A visita ao Brasil do presidente internacional a entidade, o ativista francês e diretor do jornal Le Monde Diplomatique, Bernardo Cassen, entre 1 a 5 de março de 1999, foi acompanhada com atenção. Os relatórios do serviço informam que Cassen proferiu palestras em cinco capitais brasileiras (Belo Horizonte, Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre), nas quais apresentava os objetivos da organização, traç ava o histórico da crise econômica mundial, defendia a adoção da chamada Taxa Tobin para a taxação do capital especulativo internacional e exortava as plateias a lutarem contra o projeto neoliberal. 
Nos documentos produzidos, também constavam os nomes dos militantes identificados nas plateias de Cassen. Do escritório da SAE em Belo Horizonte, por exemplo, chegou o informe das participações de Lula, então presidente do PT, do coordenador do MST, João Pedro Stédile, do ex-governador de Pernambuco, Miguel Arraes, do geógrafo Milton Santos e do cientista político Cezar Benjamin, entre outros. Os ex-presidente Lula tinha suas atividades relatadas pela SAE, tanto pela sua militância antineoliberalismo como por ser o principal adversário político de FHC.
Viagens a Cuba
Mesmo com o fim da guerra fria e da ditadura, as viagens de brasileiros a Cuba continuaram a ser alvo de preocupação do serviço secreto. Principalment e qua ndo se cruzavam com a luta antineoliberal. De 21 de julho a 21 de agosto de 1996, foi realizado, em Cuba, o curso de formação sindical “Neoliberalismo e Globalização da Economia”. Informes registram a participação de brasileiros, entre eles os sindicalistas Adriano Torquato, Francisco Nascimento Araújo, José Nunes Passos e Nonato César.
Há relatório de alerta para a realização em Cuba, em 1997, do Seminário Internacional sobre o Neoliberalismo, promovido pela Federação Mundial da Juventude Democrática, com a presença de militantes do MR8. No relatório pós-evento, está relatada a participação de 1,2 mil trabalhadores de 453 organizações sindicais, políticas e acadêmicas de 63 países. Do Brasil, participaram cerca de 300 sindicalistas, incluindo representantes da CUT. Há menção detalhada dos participantes. Um informe exclusivo apontava, por exemplo, o embarque de dois vereadores de Montes Claros (MG): Aldair Fagundes (PT) e L ipa Xa vier (PCdoB). 
Outro informe alertava que a edição seguinte seria realizada no Brasil, em 1999. O evento, organizado pela CUT, no Rio de Janeiro, de 1 a 3 de setembro de 1999, também foi documentado pelo serviço, que apresentou os textos integrais da declaração da Federação Sindical Internacional, do discurso do delegado de Cuba, Pedro Ross Leal, do delegado da França, Freddy Huck, e a proposta da CUT, entre outros. 
Atividades internacionais do MST 
Em 1996, a SAE acompanhou a participação integrantes do MST no seminário “Crisis del Neoliberalismo Y Vigências de las Utopias em La America Latina”, na Argentina, entre os dias 8 e 13 de outubro. Antes do embarque dos militantes sem-terra, um informe produzido pelo escritório central já alertava sobre a viagem.
Também em 1996, o serviço registrou a participação do coordenador do MST, João Pedro Stédile, no seminário América Livre, em Buenos Aires, com Emir Sader e Frei Betto. 
Atividades rotineiras
Sader é citado também por sua participação em eventos comuns, como o lançamento do livro “O século do crime”, dos jornalistas José Arbex Junior e Cláudio Tognolli, em São Paulo, no dia 7 de agosto de 1996. Conforme o relatório da SAE, os autores “enfatizaram que a proliferação e o crescimento das máfias foram estimulados pela era neoliberal”.
O mesmo ocorreu com o deputado estadual gaúcho Raul Pont (PT), monitorado tanto quando participava de eventos internacionais, como o Foro de São Paulo, quanto em atividades rotineiras. A SAE registrou, por exemplo, que em novembro de 1995, quando era vice-prefeito de Porto Alegre, Pont foi recebido por papeleiros da Associação Profetas da Ecologia, na companhia do teólogo Leonardo Boff. “Eu me lembro vagamente que visitei essa cooperativa, que tinha o apoio da prefeitura e realizava um trabalho pioneiro em recicla gem de lixo”, relatou à Carta Maior.
De acordo com o relatório da SAE, o registro do evento se deu porque Boff relacionava os problemas ambientais do planeta à adoção crescente do modelo neoliberal. “Esta foi uma das atividades mais pacíficas de que já participei. Não havia nada que indicasse perigo ao governo da época. É difícil acreditar que esse tipo de coisa ocorria no governo do príncipe da sociologia”, disse.
Estudos sobre a doutrina
Um documento produzido em 1997 pelo escritório central da SAE justifica a importância dada ao tema neoliberalismo. Conforme a interpretação dos arapongas oficiais, o neoliberalismo é a teoria econômica criada após a segunda guerra como anteparo a expansão do comunismo no mundo. Teve a Inglaterra e os EUA como seus principais defensores e caracteriza-se, basicamente, pelo livre comércio, austeridade nas contas públicas, privatização, crescimento do sistema fin anceiro e fortalecimento do mercado. 
Os agentes da SAE se debruçavam também sobre obras relativas ao tema produzidas por intelectuais de esquerda. O professor da Universidade de Nova York, James Petras, que já tinha suas atividades monitoradas pelo SNI desde a ditadura, recebeu atenção especial. 
O livro “Latin American: The left strikes”, sobre a atuação das esquerdas latinoamericanas em contraposição ao neoliberalismo e à globalização, liderados pelos Estados Unidos, foi objetivo de relatório específico, principalmente porque destacava que as esquerdas latinoamericanas já haviam encontrado uma nova e eficiente forma de atuação. Os exemplos citados na obra são o MST, no Brasil, os Zapatistas, no México, as organizações camponesas, no Paraguai, e os plantadores de coca, na Bolívia e na Colômbia. Todos eles movimentos monitorados pelo sistema. 
Em 1999, a SAE voltou a dividir com todo o sistema de inteligência o co nteúdo de um outro livro de Petras, o recém lançado “Neoliberalismo, América Latina, Estados Unidos e Europa”. Um documento produzido pelo escritório do Rio de Janeiro resumiu os capítulos da obra e ainda relatou atividades correlatas promovidas pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Antes disso, o serviço secreto registrou a visita de Petras ao Brasil para o lançamento da obra, ocorrido em 20 de maio de 1999, na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ).


(*) Colaborou na pesquisa histórica Rafael Santos

A MODA DOS VICES NEGROS


Me tocou o lançamento de candidatos negros ao cargo de vice-prefeito nas próximas eleições municipais de Salvador. Vices dos principais candidatos ao posto de chefe do executivo municipal, os competitivos, candidatos por legendas que comandam o país ou têm tradição na política baiana, o PT, o PMDB e o DEM.
O PT tem um candidato que já perdeu em tentativas passadas, um parlamentar de carreira partidária, sem apelos especiais, quer políticos, quer técnicos ou outros. O PMDB ressussita um replicante da política baiana de 1973, um comunicólogo que fala um bom português e gosta de jazz, suponho que amigo de Wally S., um “cara conhecido, inteligente e rico”, como mais ou menos elogiou um deputado baiano, no seu programa na sua rádio. E o DEM, que tem reduto na Bahia, apresenta o neto do cara, a tradição de pai pra filho do atraso social da Bahia, filho da Arena e do PFL que sustentaram a ditadura militar. Em tempos de Comissão da Verdade, com todas as suas vicissitudes...
Onde estão as propostas? Onde está a discussão da crise urbana de Salvador? Onde estão as estratégias de governo? Onde está a inovação política, social, gerencial para enfrentarmos a crise que vivemos na cidade?
A sensação é de não existir estrutura urbana, não existir a infraestrutura em rede que sustenta um organismo urbano. Aos pobres a violência e a precariedade, aos remediados e endinheirados o recurso à reclusão e ao assassinato do espaço público, nas suas anti-cidades. O aumento da frota de automóveis como solução para uma cidade cujo transporte público padrão anos 50 do século passado está na mão de uma elite decadente já no século passado. E ninguém anda em Salvador, ou como disse Maria Amélia Almeida, o “outro não é visto em Salvador, no meio de tanta subalternidade.”, aqui nestas páginas (data). E Salvador é deficitária por ter de atender a uma massa de pessoas moradoras de municípios circundantes, da Região Metropolitana, onde os serviços são precários, ao mesmo tempo em que não sedia a industrialização da RMS, que beneficia os vizinhos dependentes, um círculo vicioso, como também já disse aqui o professor Paulo Ormindo, presidente do Instituto de Arquitetos. Os arquitetos sempre foram propositivos, questionaram a política habitacional brasileira desde os seus primórdios. Há vida inteligente na cidade, não só entre arquitetos, mas entre rappers, professores, músicos, arteducadores, videomakers, pichadores, baianas de acarajé, engenheiros e médicos. No crime organizado também...
O desafio é enorme. O deserto de ideias também. A solução? UM CANDIDATO NEGRO A VICE-PREFEITO!
Primeiro, o neto do cara, ACM Neto, apela para uma negra militante do movimento negro e do Partido Verde, associada ao papel de uma entidade civil de grande importância  no resgate da autoestima da população negra do estado, o Instituto Steve Biko, do nome de um líder da luta anti-apartheid na África do Sul. O instituto logo se apressou em desvincular a agora candidada de sua imagem.
Aí o PT, em processo de articulação de base, em meio à crise da greve dos professores da rede estadual e outras faltas de legitimidade governamental no município e no estado, além de um candidato que não decola, apela também para uma candidata negra, Olívia Santana, respeitável política mulher e negra da nossa cidade. Uma prova de que a população negra tem aumentado seu espaço de representação política no estado nos últimos tempos.
Em seguida, Mário Kertesz, o comunicólogo, com um jovem vice negro, ex-lider de quebra-quebra de buzu em 2002, ou por aí.
Pronto. “Vc tá na Bahia, meu filho”. Dizem que a gente é racista e que detesta povo? “Pois negros são os nossos vices”, é a marca do escárnio das elites baianas. Fazer política da forma mais primária, tentando se apropriar de um discurso políticamente correto pra fabricar uma mensagem pseudo-contemporânea e progressista. Com isso se tenta combater o vazio de ideias, para além dessa ideia infame. Suprema infâmia no ano do centenário de Jorge Amado.
Com isso fica claro como vai ser difícil sair dessa crise, quanto precisamos evoluir e quanto os negros têm de aumentar o seu protagonismo nessa sociedade que insiste em não ultrapassar o século XX.

2020: ANO DA EXTINÇÃO DOS PROFESSORES

O ano é 2020 D.C. - ou seja, daqui a nove anos - e uma conversa entre avô e neto tem início a partir da seguinte interpelação:
- Vovô, por que o mundo está acabando?

A calma da pergunta revela a inocência da alma infante. E no mesmo tom vem a resposta:
- Porque não existem mais PROFESSORES, meu anjo.

- Professores? Mas o que é isso? O que fazia um professor?

O velho responde, então, que professores eram homens e mulheres elegantes e dedicados, que se expressavam sempre de maneira muito culta e que, muitos anos atrás, transmitiam conhecimentos e ensinavam as pessoas a ler, falar, escrever, se comportar, localizar-se no mundo e na história, entre muitas outras coisas. Principalmente, ensinavam as pessoas a pensar.

- Eles ensinavam tudo isso? Mas eles eram sábios?

- Sim, ensinavam, mas não eram todos sábios. Apenas alguns, os grandes professores, que ensinavam outros professores, e eram amados pelos alunos.

- E como foi que eles desapareceram, vovô?

- Ah, foi tudo parte de um plano secreto e genial, que foi executado aos poucos por alguns vilões da sociedade. O vovô não se lembra direito do que veio primeiro, mas sem dúvida, os políticos ajudaram muito. Eles acabaram com todas as formas de avaliação dos alunos, apenas para mostrar estatísticas de aprovação. Assim, sabendo ou não sabendo alguma coisa, os alunos eram aprovados. Isso liquidou o estímulo para o estudo e apenas os alunos mais interessados conseguiam aprender alguma coisa.

Depois, muitas famílias estimularam a falta de respeito pelos professores, que passaram a ser vistos como empregados de seus filhos. Estes foram ensinados a dizer "eu estou pagando e você tem que me ensinar", ou "para que estudar se meu pai não estudou e ganha muito mais do que você" ou ainda "meu pai me dá mais de mesada do que você ganha". Isso quando não iam os próprios pais gritar com os professores nas escolas. Para isso muito ajudou a multiplicação de escolas particulares, as quais, mais interessadas nas mensalidades que na qualidade do ensino, quando recebiam reclamações dos pais, pressionavam os professores, dizendo que eles não estavam conseguindo "gerenciar a relação com o aluno". Os professores eram vítimas da violência - física, verbal e moral - que lhes era destinada por pobres e ricos. Viraram saco de pancadas de todo mundo.

Além disso, qualquer proposta de ensino sério e inovador sempre esbarrava na obsessão dos pais com a aprovação do filho no vestibular, para qualquer faculdade que fosse. "Ah, eu quero saber se isso que vocês estão ensinando vai fazer meu filho passar no vestibular", diziam os pais nas reuniões com as escolas. E assim, praticamente todo o ensino foi orientado para os alunos passarem no vestibular. Lá se foi toda a aprendizagem de conceitos, as discussões de idéias, tudo, enfim, virou decoração de fórmulas. Com a Internet, os trabalhos escolares e as fórmulas ficaram acessíveis a todos, e nunca mais ninguém precisou ir à escola para estudar a sério.
Em seguida, os professores foram desmoralizados. Seus salários foram gradativamente sendo esquecidos e ninguém mais queria se dedicar à profissão. Quando alguém criticava a qualidade do ensino, sempre vinha algum tonto dizer que a culpa era do professor. As pessoas também se tornaram descrentes da educação, pois viam que as pessoas "bem sucedidas" eram políticos e empresários que os financiavam, modelos, jogadores de futebol, artistas de novelas da televisão - enfim, pessoas sem nenhuma formação ou contribuição real para a sociedade.


N.E: Qualquer semelhança com a situação deste País ultrajado e saqueado por políticos quadrilheiros e mafiosos, não é mera coincidência.

SALVE O DIA DO AMIGO

“Grande parte da vitalidade de uma amizade reside no respeito pelas diferenças, não apenas em desfrutar das semelhanças.”

(James Fredericks)

Esta é a nossa homenagem aos nossos leitores. 
Abraços.


DENÚNCIAS NO GOVERNO DA BAHIA

 

Auditoria em ONG aponta rombo de R$ 7 milhões na Bahia.
Contrato seria para levantar 1.120 casas do programa Construindo Dias Melhores
SALVADOR - Notas fiscais falsas no valor de R$ 985 mil, mais R$ 2,7 milhões de despesas em treinamento e capacitação de pessoal não comprovadas e R$ 3,63 milhões sem prestação de contas, somando um total de R$ 7,315 milhões. Este é o rombo encontrado pela Auditoria Geral do Estado (AGE), órgão da Secretaria da Fazenda da Bahia, no convênio de R$ 17,9 milhões assinado em 2008 pela Secretaria Estadual de Desenvolvimento Urbano (Sedur) e a ONG Instituto Brasil Preservação Ambiental, que teve as parcelas restantes do contrato suspensas em 2010 pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) a pedido do Ministério Público Estadual. O TCE julga um recurso da entidade visando desbloquear os recursos.
A promotora Rita Tourinho, do MP-BA, está finalizando a investigação e deve denunciar os responsáveis pelas falcatruas à Justiça por improbidade administrativa até o final do mês. Ela informou que foi aberto um inquérito criminal sobre o caso. Depois que o escândalo estourou, há dois anos, a Sedur, comandada na época pelo hoje deputado federal Afonso Florence (PT), ex-ministro do Desenvolvimento Agrário, determinou a abertura de sindicância para apurar o caso, mas isso só ocorreu em janeiro de 2012. A comissão foi presidida por Armando Cunha. Ele disse que foi feito um “trabalho administrativo interno porque não houve prestação de contas da segunda parcela de verbas liberadas pelo contrato”, mas não quis revelar o conteúdo da conclusão do trabalho.
O contrato, firmado sem licitação, seria para levantar 1.120 casas do programa Construindo Dias Melhores, do governo do Estado, em 18 municípios. As obras, inacabadas, sofrem degradação pelo abandono, conforme constataram os técnicos da AGE. Eles comprovaram que as empresas indicadas nas notas “frias” não existiam ou não confirmaram que o material de construção foi adquirido pela ONG. Além disso, outros R$ 2,7 milhões não tiveram a prestação de serviço indicada efetivamente realizada.
A AGE constatou ainda que os indícios de irregularidades no convênio da Sedur não foram suficientes para a secretaria suspender a liberação da segunda parcela, apesar de as distorções terem sido apontadas pela Conbec Engenharia, empresa terceirizada responsável pelo acompanhamento das obras. O parecer da Sedur foi pela aprovação parcial das contas da primeira parcela. Isso permitiu que fosse liberada a segunda, no valor de R$ 3,63 milhões. Os órgãos fiscalizadores descobriram que o parecer favorável do convênio teria sido assinado por Heloísa Carvalho, diretora de planejamento territorial da Sedur, uma ex-funcionária do Instituto Brasil. Em 2010, por telefone, Heloísa disse à reportagem do jornal A TARDE que emitiu parecer positivo para o instituto “porque era projeto factível de ser executado”. Ela já deixou o cargo na Sedur.
Conforme a AGE, o instituto não recolheu impostos e não apresentou explicação convincente para as irregularidades na prestação de contas na primeira parcela. A coordenadora da AGE, auditora Míriam Guerreiro, lamenta que os prejudicados sejam as pessoas carentes que esperavam as casas não construídas. O relatório da AGE aponta falha de fiscalização no cumprimento do convênio e recomenda que a Sedur contrate outra empresa para concluir as obras para que o prejuízo social não seja maior.
Míriam pondera que não se pode generalizar acusando todas as ONGs de usarem de forma indevida os recursos públicos. “Precisamos aprimorar os controles, mas a parceria com entidades do terceiro setor é fundamental para o Estado, que não pode fazer só todas as obras que a população necessita”, disse.
Na Lei
O ex-ministro Afonso Florence afirmou que o processo “foi feito na forma da lei” e não cabia à Sedur investigar idoneidade fiscal.
- A fiscalização naquilo que compete ao órgão executor é em relação às obras físicas. Identificar se a empresa recolhe impostos não é responsabilidade da secretaria - diz, assegurando que os convênios eram assinados após aval da Procuradoria Geral.
Sobre a servidora que teria dado parecer liberando o convênio, a diretora territorial de planejamento da Sedur e ex-funcionária do Instituto Brasil Preservação Ambiental Heloísa Helena de Carvalho, Florence afirma não ter ligação com a contratação.
- Não a conhecia antes da Sedur, quem a contratou foi a superintendente (de habitação) Liana Viveiros. Quando no meio de superintendentes, eles têm autonomia para compor seus quadros. Ela não foi indicada por ninguém, o critério de escolha não era político, mas técnico.
Florence afirma que não lhe foi imputada nenhuma responsabilidade e que apresentou os documentos devidos quando lhe foi solicitado.
- Nossa posição sempre foi de apurar qualquer indício de irregularidade. Outras dezenas de contratos com ONGs foram firmadas e só foi encontrada irregularidade nesse.
Apesar de declarar à imprensa na época do escândalo que iria instaurar uma sindicância para apurar o caso, hoje o deputado diz não lembrar se protocolou um documento solicitando investigação.

 

 

ALUNO De QUÍMICA: 10 na Prova!

 

Prova do Curso de Química, foi perguntado:
- Qual a diferença entre SOLUÇÃO e DISSOLUÇÃO?
Resposta de um aluno:
- Colocar UM dos POLÍTICOS BRASILEIROS num TANQUE DE ÁCIDO para que DISSOLVA é uma DISSOLUÇÃO. Colocar TODOS é uma SOLUÇÃO!*

E completou:
"Se Liofilizar, teremos o mais puro Extrato de Pó de Merda do mundo"

 

 

ATITUDES

1 - A do canal, que dá e não retém.

2 - A da fonte, que produz, dá e retém.

Existem seres humanos-vaso, cuja única meta é armazenar conhecimentos, objetos e dinheiro. São aqueles que acreditam saber tudo que há para saber: ter tudo o que há para ter e consideram sua tarefa terminada quando concluíram o armazenamento. Não podem compartilhar sua alegria nem por a serviço dos demais os seus talentos, nem sequer repartir conhecimento. São extraordinariamente estéreis, servidores do seu egoísmo, carcereiros de seu próprio potencial humano.

Por outro lado existem os seres humanos-canal, são aqueles que passam a vida fazendo e fazendo coisas. Seu lema é: "produzir, produzir e produzir". Não estão felizes se não realizam muitas atividades e todas com pressa, sem perder um minuto. Acreditam estar a serviço dos demais, fruto de sua neurose produtiva, quando, na verdade, agir sem parar é o único modo que têm de acalmar suas carências; dão, dão e dão; mas não retêm.Seguem dando e se sentem vazios.

Mas também podemos encontrar seres humanos-fonte, que são verdadeiros mananciais de vida. Capazes de dar sem se esvaziar, de oferecer sua água sem terminarem secos. São aqueles que nos salpicam "gotinhas" de amor, confiança e otimismo, iluminando com seu reflexo nossa própria vida.

Com qual você se identifica?

 

 


SEXO NO PLANALTO

Advogada liga Toffoli e Gilberto Carvalho a máfia do DF.

Em oito horas de gravações em áudio e vídeo, Christiane Araújo de Oliveira revela que mantinha relações íntimas com políticos e figuras-chave da República e que o governo federal usou de sua proximidade com a quadrilha de Durval Barbosa para conseguir material contra adversários políticos. Nascida em Maceió, em uma família humilde, Christiane Araújo de Oliveira mudou-se para Brasília há pouco mais de dez anos com o objetivo de se formar em Direito. Em 2007, aceitou o convite para trabalhar no governo do Distrito Federal de um certo Durval Barbosa, delegado aposentado e corrupto contumaz que ficaria famoso, pouco depois, ao dar publicidade às cenas degradantes de recebimento de propina que levaram à cadeia o governador José Roberto Arruda e arrasaram com seu círculo de apoiadores. Sob as ordens de Durval, Christiane se transformou num instrumento de traficâncias políticas. No ano passado, depois de VEJA mostrar a relação promíscua entre o petismo e o delegado, Christiane foi orientada a sumir da capital federal. Relatos detalhados de suas aventuras com poderosos, no entanto, já estavam em poder do Ministério Público e da Polícia Federal. Na edição que chega às bancas neste sábado, VEJA revela o teor de dois depoimentos feitos pela jovem advogada no final de 2010. Ela participava de festas de embalo, viajava em aviões oficiais, aproveitava-se dos amigos e amantes influentes para obter favores em benefício da quadrilha chefiada por Durval, que desviou mais de 1 bilhão de reais dos cofres públicos. A advogada relatou que manteve um relacionamento com o hoje ministro do Supremo Tribunal Federal José Antonio Dias Toffoli, quando ele ocupava cargo de advogado-geral da União no governo Lula. Os encontros, segundo ela, ocorriam em um apartamento onde Durval armazenava caixas de dinheiro usado para comprar políticos – e onde ele eventualmente registrava imagens dessas (e de outras) transações. Christiane afirma que em um dos encontros entregou a Toffoli gravações do acervo de Durval Barbosa. A amostra, que Durval queria fazer chegar ao governo do PT, era uma forma de demonstrar sua capacidade de deflagrar um escândalo capaz de varrer a oposição em Brasília nas eleições de 2010. Ela também teria voado a bordo de um jato oficial do governo, por cortesia do atual ministro do STF, que na época era chefe da Advocacia Geral da União (AGU). Por escrito, Dias Toffoli negou todas as acusações. “Nunca recebi da Dra. Christiane Araújo fitas gravadas relativas ao escândalo ocorrido no governo do Distrito Federal.” O ministro disse ainda que nunca frequentou o apartamento citado por ela ou solicitou avião oficial para servi-la. Como chefe da AGU, só a teria recebido uma única vez em seu gabinete, em audiência formal. Nas gravações, Christiane relatou ainda que tem uma amizade íntima com Gilberto Carvalho, secretário-geral da Presidência da República. No governo passado, quando Carvalho ocupava o cargo de chefe de gabinete de Lula, ela pediu a interferência do ministro para nomear o procurador Leonardo Bandarra como chefe do Ministério Público do Distrito Federal. O pedido foi atendido. Bandarra, descobriu-se depois, era também um ativo membro da máfia brasiliense – e hoje responde a cinco ações na Justiça, depois de ter sido exonerado.(Fonte: VEJA).
MOMENTOBRASILCOM(C0mentário):
Quanto mais se reza, mais assombração aparece, diz um velho ditado popular. Escândalos e mais escândalos na praçã dos 3 Poderes. O 'ar' totalmente contaminado. O ambiente fede mais que mil 'fossas abertas'. As paredes, mais sujas que pau de galinheiro. O fato acima, nada mais é que o retrato e os efeitos da corrupção brasileira. Causa-nos repugnância.
Mais Artigos...
Banner